Obama doa cheque pessoal para ajudar dívida de Clinton

WASHINGTON - O Senador Barack Obama afirmou na quinta-feira que deu um cheque pessoal de US$2,300 à senadora Hillary Rodham Clinton, um gesto de boa fé para incentivar seus principais doadores a ajudarem a quitar a dívida deixada pela campanha de sua colega de partido e colocar os dois democratas numa posição diferente da rivalidade existente durante a disputa pela indicação democrata.

The New York Times |

Em um baile no Hotel Mayflower, Clinton apresentou Obama a cerca de 300 de seus principais patrocinadores, dos quais a maioria doou pelo menos US$100,000 para sua campanha. Foi a primeira vez que os senadores compartilharam o palco desde que ela desistiu de sua candidatura e o apoiou há quase três semanas.

"Eu assinei um cheque pessoal ao Comitê Hillary para Presidente", disse Obama, que foi recebido com uma salva de palmas. Sua mulher, Michelle, também contribuiu com US$2,300. "Eu reconheço que aqui existe tanta paixão quanto entre os meus eleitores", afirmou Obama. "Eu não espero que essa paixão seja transferida. A senadora Clinton é única e seu relacionamento com ela é único. Mas a senadora Clinton e eu concordamos que esse país precisa de mudanças".

O encontro entre Obama e Clinton acontece pouco antes de um outro na pequena cidade de Unity, N.H. Eles irão aparecer diante da televisão numa bem arquitetada exibição de sua nova parceria. Clinton prometeu ajudar Obama a derrotar o senador John McCain, indicado republicano à presidência.

"O tempo cura tudo", disse Vernon Jordan, amigo de Clinton e seu marido há muitos anos, quando deixava o evento que descreveu como cordial. "Aqui existe apenas uma questão principal: vencer".

Apoio incondicional

Obama e Clinton chegaram separadamente e entraram por uma porta lateral do hotel, a poucos quarteirões da Casa Branca, passando por dezenas de manifestantes que pediam que Obama considerasse Clinton como sua vice-presidente e ajudasse-a a pagar a dívida de sua campanha. Seus principais conselheiros políticos estavam presentes, junto com a equipe de Clinton.

Clinton não pediu nada de seu antigo rival e prometeu seu apoio incondicional.

"Nós precisamos fazer com que a eleição de Barack Obama à presidência dos Estados Unidos seja uma prioridade em nossas vidas", disse Clinton em meio a aplausos. Ela acrescentou, "Eu sei que meus defensores têm sentimentos muito fortes, assim como os defensores de Barack, mas nós somos uma família e temos uma oportunidade de demonstrar claramente que sabemos o que está em jogo e que faremos qualquer coisa para conquistar a Casa Branca de volta".

Terry McAuliffe, presidente do comitê de campanha de Clinton, afirmou que esse é o momento de "aquecer para as eleições gerais". Ao caminhar pelo hotel, McAuliffe foi cumprimentado por diversos partidários de Clinton e falou saudosamente sobre a candidatura da senadora.

"Isso é união. Reunir essas pessoas demonstra isso", disse McAuliffe. "Essa foi uma ótima disputa. Ela conseguiu 18 milhões de votos e sabe o que conquistou. Ninguém gosta de perder, mas quer saber? Ela seguiu em frente".

Por JEFF ZELENY

Leia mais sobre: eleições nos EUA

    Leia tudo sobre: eleições nos eua

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG