Novo premiê tailandês é polido, mas precisa do apoio da população rural

BANGCOC - Abhisit Vejjajiva, eleito primeiro-ministro da Tailândia nesta segunda-feira pelo voto parlamentar, enfrentará os desafios do tumulto político e da crise econômica que abateu os dois governos tailandeses neste ano.

The New York Times |

Acordo Ortográfico

Abhisit tem o currículo polido de um membro da elite política, mas não cultivou laços com o bloco eleitoral decisivo: a população rural e urbana pobre.

Nascido em Newcastle, Inglaterra, onde os pais eram professores de medicina, foi educado em Eton e Oxford, onde se graduou em economia, política e filosofia como primeiro aluno da classe.

Depois de lecionar economia na Thammasat University, Abhisit se filiou ao Partido Democrático em 1992 e se tornou aos 27 anos um dos mais jovens representantes no Parlamento. Nesta segunda-feira, aos 44 anos, ele se tornou um dos mais jovens primeiros-ministros da história da Tailândia.

Sua eleição acabou com sete anos de domínio de partidos leais ao ex-primeiro-ministro Thaksin Shinawatra. Mas Thaksin, que foi expulso do poder em um golpe em 2006, continua exercendo influência política na condição de auto-exilado e ainda comanda o maior partido do Parlamento.

Críticos dizem que apesar de Abhisit ser bonito, bem articulado e com boas-maneiras, ele não tem o carisma dos políticos tailandeses de sucesso. Eles brincam que ele precisaria de um visto para visitar as áreas rurais no norte e nordeste.


Abhisit fala à imprensa após eleições no Parlamento / AP

Essas são as áreas onde Thaksin construiu sua base e que ainda representa os votos decisivos das eleições tailandesas. O Partido Democrático, em contraste, goza de forte apoio da classe média, da elite urbana e dos empresários.

Eu não quero nem falar sobre a habilidade dele de superar essa divisão ¿ rico/pobre, urbano/rural, o velho establishment e Thaksin, disse Pavin Chachavalpongpun, pesquisador visitante do Institute of Southeast Asian Studies de Cingapura.

Abhisit tentou na segunda-feira dirigir-se a essas preocupações. Eu só posso garantir que, caso eu receba o voto da maioria, eu vou trabalhar pelas pessoas deste país, disse ele antes da votação parlamentar.

A eleição de Abhisit seguiu seis meses de protestos contra os partidos pró-Thaksin que culminaram no bloqueio de dois aeroportos de Bangcoc que durou uma semana e acabou em 3 de dezembro. Um dia depois, uma corte destituiu o governo do Partido do Poder do Povo por fraude nas eleições há um ano, abrindo o caminho para a votação desta segunda.  Abhisit recebeu 235 votos.

Do lado de fora do Parlamento na segunda, cerca de 200 manifestantes de camiseta vermelha pró-Thaksin gritavam e atiravam tijolos, levantando a possibilidade de as demonstrações nas ruas serem agora a favor do outro lado da política dividida.

Nenhum governo eleito na Tailândia, exceto a primeira administração de Thaksin, terminou um mandato completo, e alguns analistas políticos disseram que Abhisit é inseguro demais para durar muito.

Se eles ficarem mais de três meses, eu os saúdo, disse Pavin. Desculpem-me por eu ser tão pessimista.


Novo primeiro-ministro é saudado pelos partidários / AP

Apesar de Abhisit ter se apresentado como o reformista que irá rejeitar a corrupção que caracteriza a política tailandesa, ele subiu ao poder graças a barganha típica do velho estilo da política do país.

Enquanto líder da oposição, ele ofereceu críticas suaves ao golpe que derrubou Thaksin. Ele também se beneficiou dos protestos dos oponentes do governo, privando-se de condená-los mesmo quando eles ocuparam dois aeroportos de Bangcoc, um sério custo para a economia da Tailândia.

Sua ascensão ao poder é também manchada pela percepção de que estava planejado pelos poderosos militares que, segundo críticos, pressionaram pequenos partidos para se unirem à coalizão liderada pelos democratas.  

Abhisit ainda precisa ser testado como líder ou como político, e irá enfrentar alguns dos mais duros e experientes políticos dentro e fora da magra coalizão do governo com quem ele se aliou.

Um novo defensor vindo do lado de Thaksin, Newin Chidchob, pediu que Abhisit continuasse as políticas populistas que visam a população rural pobre.

Mas a divisão cultural pode ser difícil de vencer. Questionado ano passado sobre seus gostos e desgostos, Abhisit disse que livro favorito era The Myth of Sisyphus de Albert Camus e que era devoto do cantor Barry Manilow, cuja voz raramente é ouvida na rural Tailândia.

Por SETH MYDANS

Leia mais sobre: Tailândia

    Leia tudo sobre: tailândia

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG