Nova York tem mapa raro de 1770 restaurado

Documento com autoria de Bernard Ratzer mostra descrição visual detalhada das praias e ruas de Lower Manhattan

The New York Times |

Ele estava enrolado entre outros mapas e gravuras amarelados que saíram de um caminhão de entregas para o escritório da imponente Sociedade Histórica do Brooklyn. Carolyn Hansen, catalogadora de mapas da sociedade, desenrolou a tela suavemente.

"Consegui ouvir quando ele rasgou", disse Hansen, 29 anos, que ainda sofre com a lembrança do acontecido. Ela parou de puxar. Mas grande parte do mapa, amarelado com a idade e as condições de armazenamento, estava aberto e revelava um nome: Ratzer.

The New York Times
Jonathan Derow, especialista em restauração de documentos, analisa o mapa de 1770
O nome Ratzer é invocado como uma espécie de Da Vinci da cartografia de Nova York, e o mapa era uma edição inicial de sua obra mais conhecida: o Mapa da Cidade de Nova York, em 1770, por a Bernard Ratzer.

Acreditava-se existir apenas três cópias deste mapa. Uma deles pertencia ao rei George III e permanece na Biblioteca Britânica, em Londres, onde é exibido ocasionalmente. Os outros dois estão na Sociedade Histórica de Nova York e permanecem em armazém, mas são apresentados a alunos duas ou três vezes por ano.

Restaurar esse mapa surpresa, envelhecido para além de seus 240 anos por seu destrutivo revestimento de laca, tornou-se uma prioridade imediata.

Transformação

Sua transformação de literalmente intocável à claramente legível e colocado atrás de uma moldura de vidro para o lançamento em uma festa privada na noite de quarta-feira, envolveu paciência, ciência e alguma astúcia para ferver livros antigos usados e destilar a cor do papel envelhecido em um momento especialmente delicado.

Não que alguém na Sociedade Histórica do Brooklyn soubesse o que tinha em mãos. O mapa havia sido entregue do armazém da sociedade em Connecticut. A sociedade disse que não tinha um catálogo listando o mapa ou quando ele havia sido adquirido.

Oficial do Exército britânico na América, Ratzer era topógrafo e desenhista, e seu mapa foi imediatamente aclamado como um passo à frente dos de seus predecessores. Apesar disso, seu nome foi digitado incorretamente nas versões iniciais de seus mapas, conhecidos como "Mapas de Ratzen".

O mapa inclui uma descrição visual detalhada das praias e ruas de Lower Manhattan, com topografia detalhada com colinas e bosques que já desapareceram.

The New York Times
Livro, cujo papel foi ao forno para conservar a cor original do mapa de Bernard Ratzer
"Esta é uma das maneiras de conhecermos o que havia aqui antes da estrutura da cidade existir de verdade ", disse Matthew Knutzen, bibliotecário geoespacial da divisão de mapas da Biblioteca Pública de Nova York.

A parte inferior do mapa contém uma ilustração impressionante de Manhattan vista da Ilha dos Governadores, com navios, soldados, ondas e fumaça.

Os dois mapas de 1770 da Sociedade Histórica de Nova York foram presentes de seu fundador, John Pintard, em 4 de janeiro de 1810, segundo seu catálogo. Isso faria com que, salvo a existência de outras cópias desconhecidas, este mapa seja o primeiro descoberto em 200 anos. "É incrivelmente importante. Encontramos uma agulha no palheiro", disse Knutzen.

*Por Michael Wilson

    Leia tudo sobre: nova yorkmaparestauração1770

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG