Nova companhia aérea encontra grande oportunidade nas pequenas Maldivas

Empresário foca em nicho de pessoas que precisam ir constantemente para a China, o que vem crescendo na minúscula nação

The New York Times |

Em uma época em que muitas companhias aéreas estão indo à falência ou diminuindo seu número de rotas, George Weinmann resolveu entrar para a indústria com uma nova empresa.

Weinmann, presidente-executivo da Aerolinhas Mega Maldives, busca atingir um nicho de pessoas que precisam ir constantemente para a China, o que vem crescendo cada vez mais na minúscula nação das Ilhas Maldivas.

Primavera Árabe: Presidente das Maldivas renuncia após protesto e revolta policial

O empresário americano afirma que tem os ingredientes certos para tornar sua empresa um sucesso: direitos de pouso e aterrissagem lucrativos em um mercado em expansão, uma rede internacional de contatos e aprovações governamentais cruciais.

NYT
George Weinmann, chefe executive da Mega Maldives Airlines
"Nos próximos dez anos, as Maldivas podem se tornar o parque de diversões da Índia e da China, da mesma maneira como o Caribe se tornou um destino turístico importante para os moradores dos Estados Unidos e Canadá", disse Weinmann.

Ainda em seu segundo ano, a nova empresa adicionou Chongqing para a sua rede de voos entre a capital das Maldivas, Male, Xangai, Pequim e Hong Kong. Fretando seus voos principalmente para grupos de turistas de agências de viagens, a Mega Maldives cresceu e hoje está com 180 funcionários, o dobro do número de empregados contratados quando os voos começaram, em janeiro de 2011.

Vídeo: Crise política nas Maldivas não afetou turismo

Mas a Mega Maldives também enfrentou seus próprios desafios, particularmente durante os protestos que ocorreram em fevereiro no país, quando o presidente Mohamed Nasheed deixou o poder (ou, segundo ele, foi forçado a sair após um golpe de Estado. A China reagiu com desgosto e muitas operadoras cancelaram seus voos.

"Nós continuaremos voando", disse Weinmann em fevereiro, logo após o início dos protestos. "Mas por quanto tempo é difícil dizer. Neste exato momento, os aviões ainda estão cheios mas as pessoas simplesmente não estão fazendo mais reservas com antecedência.”

Logo depois esta afirmação, a companhia aérea suspendeu uma rota para Hong Kong. Weinmann disse que seu plano de voo completo será recuperado no dia 4 de abril. Ele prevê que em junho a Mega Maldives deverá expandir seu serviço entre a China e as ilhas para 34 voos por mês.

Otimismo

Weinmann está otimista a respeito das perspectivas para a companhia aérea. A Associação Internacional de Transportes Aéreos, grupo que cuida do setor, projetou que as viagens internacionais partindo da China continental aumentarão cerca de 10 % anualmente até 2014, transformado o país no mercado que mais cresce no âmbito de voos internacionais.

"Nós esperamos ser uma empresa rentável em 2012, nosso segundo ano em operação", disse Weinmann.

*Por Ron Gluckman

    Leia tudo sobre: ilhas maldivasmaldivascompanhia aéreaaviõeschinaásiahonk kong

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG