Nos EUA, viagem de trem tem como regra número um o silêncio

Como parte de um programa piloto, companhia ferroviária de Nova Jersey implementou vagões silenciosos na terça-feira

The New York Times |

Silêncio, mesmo nos novos vagões silenciosos dos trens da New Jersey Transit, pode ser um termo relativo. Nos vagões onde o bate papo é proibido, lançados na terça-feira, o barulho do ar condicionado não é acompanhando pelo toque de celulares ou conversas, a trilha sonora real da vida cotidiana.

“É uma ação a caminho da civilidade”, disse Frank Cioffi, professor de inglês, que muitas vezes se enfurece com o falar constante de colegas em suas longas viagens até a estação Princeton Junction. “Na parte da manhã, você tem de acompanhar empresários em alta voltagem fazendo negociações pesadas enquanto tenta ler um livro”.

Como parte de um programa piloto de três meses, 29 trens expressos entre Trenton e Manhattan terão dois vagões silenciosos, um em cada extremidade do trem, que prometem aos passageiros uma espécie de casulo zen.

The New York Times
Placa do novo trem, inaugurado na terça-feira, pede silêncio
Um pôster promocional anuncia: “Proibido celular e música/ falar somente em voz baixa / viajaremos em paz / chegaremos calmos”.

Naturalmente, os viajantes mau humorados vêm forçando a existência de vagões silenciosos desde o início da era dis celulares. Mas se as opiniões forem positivas, o programa piloto poderá ser expandido. Mas como garantir que os viajantes de um vagão silencioso ficarão quietos?

“A pressão dos outros”, disse James Weinstein, diretor-executivo da ferrovia. “Se alguém entra e não sabe que este é um vagão silencioso e começa a falar em seu telefone celular, primeiro será alvo de olhares mortais. E então, se isso não funcionar, os passageiros irão avisar que este é um vagão silencioso e telefones celulares não são permitidos”.

Esse autopoliciamento tem sido a melhor prática desde que os vagões silenciosos foram implementados pela primeira vez na empresa Amtrak, em 1999. (A comodidade agora disponível na maioria dos trens da Amtrak surgiu da sugestão de um passageiro.) Mas pode haver uma linha tênue entre aplicação e delação. Um usuário maligno da Amtrak, escrevendo para o New York Times em 2004, sugeriu que a ferrovia dava “armas aos condutores dos trens” para que enfrentassem usuários “barulhentos de celular".

The New York Times
Passageiros dormem e leem em novo trem, durante trajeto que leva de Nova York a Trenton, em Nova Jersey
Essa não é a estratégia que a New Jersey Transit está usando. O seu método preferido: um cartão de visita deslizado sorrateiramente diante do infrator, incentivando a redução do volume.

Mas a companhia ferroviária pode precisar de cautela em seus métodos. Nos comboios suburbanos da Filadélfia, onde os carros silenciosos existem desde 2008, “as equipes tiveram de ser diplomáticas”, disse Kim Heinle, executiva de serviços ao cliente. Algumas pessoas, disse ela, “não querem calar”.

“É preciso lembrar às pessoas que falar não é contra a lei, mas há uma mudança social”, disse Heinle. “Ainda assim, temos em mente que alguém pode não não saber as regras”.

A New Jersey Transit é a maior companhia ferroviária metropolitana dos Estados Unidos a implementar vagões silenciosos. Além da Filadélfia, vagões do tipo já foram adotados em Maryland, Virgínia e em partes da Califórnia.

*Por Michael M. Grynbaum

    Leia tudo sobre: trensnova jerseyvagõessilenciosoeua

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG