Neonazista é morto nos EUA e filho que seguia ideologia é acusado

Jeff Hall, do Movimento Nacional Socialista, teria sido morto por filho de 10 anos, com disparo de seu próprio revólver

The New York Times |

Um dia antes de supostamente atirar em seu pai, o menino ruivo de 10 anos de idade exibiu o bem que mais valorizava. Era um cinto de couro fino com uma insígnia de prata da SS nazista.

"Olha o que meu pai me deu", disse o garoto timidamente, empoleirado nas escadas da sala, um dos poucos locais tranquilos em uma casa com cinco crianças.

Um pouco mais de 12 horas depois, segundo a polícia, o menino parou na mesma escada com um revólver e matou o seu pai, Jeff Hall, enquanto ele estava deitado no sofá da sala. Eram cerca de 4h do dia 1º de maio; os paramédicos declararam Hall morto quando chegaram ao local.

A polícia diz que o assassinato foi intencional, mas que os motivos por trás dele ainda não são totalmente compreendidos. Mas seja qual forem, eles lançam uma nova luz sobre a facção à qual Hall dedicou a sua vida: o Movimento Nacional Socialista, o maior partido neo-nazista do país, cuja mensagem está em justaposição surreal com a vida cotididiana e suburbana de muitos de seus membros.

The New York Times
Jeff Hall, membro do Movimento Nacional Socialista, em sua casa em Riverside, na Califórnia
Hall, que liderou uma filial do grupo em Riverside, cerca de uma hora a leste de Los Angeles, havia previsto que a sua atividade política – em um mundo repleto de desconfiança, ódio e violência – levaria à sua morte. "Eu quero uma sociedade branca", dizia Hall. "Eu acredito em secessão. Eu acredito em dar minha vida em nome da secessão”.

O que ele nunca poderia esperar era que sua morte poderia chegar pelas mãos de seu filho, a quem ele incutia suas crenças da supremacia branca e sua obsessão com armas, discurso racista e insígnias nazistas.

Movimento

Nos últimos dois meses, o New York Times assistiu e documentou uma série de eventos realizados por Hall e o Movimento Socialista Nacional (NSM, na sigla em inglês), incluindo comícios virulentos e cheios de ódio, bem como churrascos e chás de bebê no quintal de sua casa no sul da Califórnia.

Hall era uma força em ascensão no partido, que tem usado uma onda de sentimento anti-imigrante para atrair membros – jovens skinheads racistas, antigos membros da Ku Klux Klan e extremistas da esquerda e da direita.

Com sede em Detroit, é o maior grupo de supremacia, com cerca de 400 membros em 32 Estados, embora grande parte da sua proeminência tenha acontecido com a decadência do Nação Ariana e de outros grupos neo-nazistas, segundo especialistas. O movimento é liderado por Jeff Schoep, um porta-voz adequadamente vestido para o que chama de "movimento branco pelos direitos civis", que ele acredita não ser diferente de outros grupos que defendem minorias.

"Se nós somos um grupo de ódio, então Martin Luther King também é um racista preconceituoso, disse Schoep em uma entrevista.

Trajetória

Hall, 32 anos, havia abraçado o movimento e vice-versa, conquistando um público fiel com a sua energia, posições sem remorso sobre raça e reuniões e festas frequentes em sua casa. Nos últimos anos, ele e outros membros tinham encenado comícios que provocaram batalhas de rua em vários Estados, incluindo um tumulto em Pemberton, Nova Jersey, durante a conferência nacional do grupo, em abril, onde pedras, galhos de árvores, cadeiras dobráveis e spray de pimenta foram usados como armas.

Após o confronto, Hall – vestindo um uniforme militar nazista – queria mais. "É por isso que eu entrei para o NSM", disse Hall, com os olhos vermelhos de spray de pimenta. "Que noite! Eu não posso esperar por amanhã!"

The New York Times
Produtos neonazistas em encontro do Movimento Nacional Socialista, na Califórnia
Hall, um encanador tagarela com uma cruz e uma caveira tatuada nas costas da sua cabeça raspada, concorreu pelo Partido Nacional Socialista a uma cadeira no distrito local no ano passado e conquistou surpreendentes 28% dos votos. Ele planejava concorrer ao cargo novamente.

Schoep disse que o grupo quer tentar outras eleições e até tentou imitar a linguagem popular usada por alguns candidatos durante a campanha de 2010, protestando contra os bancos que recebem "resgates financiados pelos impostos federais", enquanto os americanos continuam na luta.

"O governo nos diz que estamos em recuperação", disse Schoep a uma multidão em Nova Jersey. "Bem, sim, se você é um gato gordo de Wall Street, se você é um judeu ganancioso, um banco que recebe propinas, talvez. Mas não para nós”.

Imigração

A imigração ilegal também surgiu como um forte ponto de debate neo-nazista e Hal gostava de ir ao deserto "patrulhar afronteira”. Ele organizava os membros do grupo e gastava os lucros de seu trabalho como encanador para comprar óculos de visão noturna e licenças de rádio amador. Hall também gostava de dizer que estava ensinando o filho a usar o equipamento de visão noturna e a usar armas.

E enquanto muitos dos envolvidos no NSM são alienados de suas famílias ou têm problemas para para explicar suas crenças, Hall era aberto sobre suas atividades com seus filhos. Sua casa de dois andares em Riverside servia como sede do movimento no sul da Califórnia. No interior, as fotos de seus cinco filhos cobriam as paredes e uma cópia de "Cinderela" era vista na estante.

Em uma reunião recente, Hall mostrou um vídeo que ele tinha feito no encontro nacional em Nova Jersey e da briga que aconteceu. Enquanto os créditos finais subiam na tela, uma versão do "Hino de Batalha da República" tocava ao fundo, com a letra modificada. "O homem branco marcha em frente!", dizia o refrão.

Uma das filhas de Hall que observava tudo através de uma porta de tela cantarolava a letra. "Eu amo essa música, papai", disse ela.

Raphael Ezequiel, um associado de pesquisa na Escola de Saúde Pública de Harvard que estudou os skinheads para seu livro "A Mente Racista", disse: "Eles são pessoas que se sentem muito fracas. Então sentem uma grande atração por pessoas de grande carisma”.

LINKS

E, de fato, em março, Hall liderou um comício em Claremont, Califórnia, no qual pregou sobre a disciplina a seus seguidores, enquanto reclamava das revistas policiais. Cerca de duas dúzias de seguidores do partido trocaram insultos com um grupo maior de manifestantes. Hall pareceu gostar de provocações como "Nazistas Vão para Casa!"

"Tenho uma notícia ruim para vocês", disse ele. "Estamos em casa".

Poucas horas depois, em uma festa do dia de St. Patrick, Hall corajosamente oficializou uma corrida de saco entre seus filhos usando o mesmo megafone que tinha usado para encorajar o coro de "Poder Branco!" entre seus seguidores algumas horas antes.

Em um canto do quintal, uma mulher loira de olhos azuis usava uma camiseta supremacista branca que dizia: "Porque a beleza da mulher branca ariana não deve desaparecer da terra". Perto dali, um vendedor havia montado uma barraca que vendia todo tipo de apetrecho com dizeres racistas.

A captação de recursos era uma preocupação constante de Hall. Ele disse ao vendedor que deveria vender camisetas do Che Guevara. "Ele é um comunista assassino, mas você vende essas camisas e consegue financiar o movimento", disse Hall.

Suástica

Em uma reunião no dia antes de ser baleado, Hall hasteou uma bandeira da suástica não muito longe do berço de seu recém-nascido. Seu filho de 10 anos, ouviu quando Hall falou sobre encontrar corpos apodrecendo na fronteira e discutiu temores de ser atacado com "sangue aidético" se o grupo fosse a um comício em São Francisco. Após a reunião, os membros saíram para fumar e beber.

O menino sentou-se nos degraus. Ele estava se divertindo?, um repórter perguntou. Sim, ele disse, embora estivesse irritado com suas quatro irmãs mais novas. Mas ele era o mais velho, acrescentou, e um menino. "E os meninos são mais importantes", disse ele.

Naquela noite, Jeff Hall, aparentemente, saiu com alguns membros do grupo. Ele chegou em casa meia-noite e quatro horas depois a polícia recebeu uma chamada sobre tiros disparados.

O menino será levado à corte no final deste mês, ele foi acusado de assassinato como infrator jovem, e seu defensor público disse que possivelmente irá alegar insanidade. O menino e a irmã mais nova foram objeto de uma amarga batalha de custódia amarga com a primeira esposa de Hall, com uma série de denúncias de abuso de ambos os lados. Mas Hall conseguiu a guarda legal.

No sábado, um grupo de seguidores de Hall se reuniu no Sul da Califórnia para lamentar a perda de seu líder. Um deles, um oficial do NSM que pediu para não ser identificado por causa da atenção que a morte de Hall trouxe para o grupo, disse que as manifestações continuarão, e que as cinzas de Hall serão dispersas na fronteira durante uma patrulha. O menino não foi mencionado. "Hoje foi sobre Jeff, como ele gostaria que nós fizéssemos tudo ", disse. "Ninguém está à procura de respostas”.

The New York Times
Membros do Movimento Nacional Socialista são transportados em prisão por ônibus da polícia

*Por Jesse McKinley

    Leia tudo sobre: euaneonazismoassassinatosuásticacalifórnia

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG