Negócios familiares podem resistir à crise financeira

Conforme a recessão atinge muitas pequenas e grandes companhias, os negócios familiares podem estar em posição única para sobreviver e até mesmo prosperar. Negócios familiares geralmente existem há gerações, dando a eles a experiência necessária para lidar com os altos e baixos da economia. Além disso, têm uma vantagem que a propriedade única não tem.

The New York Times |

"Eles podem ter a força de toda uma família, o que significa todo tipo de recurso intelectual, físico e fiscal", disse Jeffrey A. Miller, consultor de negócios familiares baseado em Coral Cables, Flórida. "Pode haver uma ética familiar consolidada, que algumas vezes chega a datar centenas de anos, que durante períodos de crise os ajudará a manter o rumo melhor do que em empresas nas quais as pessoas não têm relação entre si".

Das cerca de 7 milhões de empresas que empregam 100 ou menos pessoas nos Estados Unidos, quase 20% pertencem e são operadas por mais de um membro de uma família, disse Joseph H. Astrachan, diretor executivo do Centro de Empresas de Família da Universidade de Kennesaw em Atlanta.

Um destes negócios é a fazenda de 500 acres da família Knight, localizada perto de Portland, Maine, que vende laticínios e madeira. Seis irmãos da 12º geração da família, com seus 40 ou 50 anos, são donos e gerenciam a fazenda. Quatro membros da 13º geração também trabalham no local.

As vendas do ano passado caíram 23% em relação a 2007, disse Warren Knight, um dos donos. "Em momentos de dificuldades, é a história que nos faz continuar", ele afirmou. "Você não quer ser a geração que faliu".

O pai de Warren recentemente chamou cada um dos filhos de lado para contar histórias sobre a Grande Depressão que seu pai e avô haviam lhe contado anteriormente. "No começo eu ouvi educadamente e disse ao meu pai que ele tem visto TV demais", disse Warren. "Mas ele estava fazendo o que todos nós fazemos - levando em conta o conhecimento e a experiência que acumulamos".

Em momentos difíceis, negócios familiares podem se unir de uma maneira que companhias comuns não conseguem. "Um negócio familiar pode se proteger como uma tartaruga que entra para dentro de seu casco", disse Patricia M. Cole, professora de psicologia da Universidade de Nova Southeastern em Fort Lauderdale, Flórida.

Tom Juenemann, diretor executivo da Family-Owned Business em Portland, Maine, concordou. "Além de reduzir os salários, eles podem trabalhar mais ou usar a mão de obra de membros da família que têm interesse nos negócios", ele disse.

Por JANE BIRNBAUM

Leia mais sobre negócios

    Leia tudo sobre: crise financeira

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG