Na internet, coro chinês contra conduta oficial aumenta

PEQUIM - Houve um tempo em que a história da garçonete de 21 anos que esfaqueou um oficial do Partido Comunista que tentou estuprá-la nunca teria deixado a região rural da província de Hubei onde aconteceu.

The New York Times |

Ao invés disso, sua prisão no mês passado sob suspeita de assassinato gerou uma onda de protestos online que a transformou em uma heroína nacional e reverberou até à capital chinesa, onde os censores ordenaram que comentários incendiários fossem proibidos. Oficiais locais de Hubei chegaram a restringir a cobertura televisiva e tentaram bloquear o acesso à pequena cidade onde o ataque aconteceu.

Na terça-feira, a corte de Hubei concedeu à mulher, Deng Yujiao, uma inesperada vitória, decidindo que ela agiu em auto-defesa e a libertou sem acusações criminais.

O caso de Deng é apenas o mais recente e proeminente de inúmeros casos nos quais a internet foi usada como um canal para que os cidadãos expressem descontentamento com a postura oficial, demonstrando seu potencial como catalizador de mudanças sociais.

A reação do governo gerou dúvidas sobre quanto poder os oficiais têm para controlar o que chama de "incidentes em massa online". Os estimados 300 milhões de chineses usuários da internet, segundo especialistas, estão abrindo os olhos para a ideia de que, mesmo na autoritária China, eles muitas vezes podem combater o poder corrupto.

"Isso se trata de gerar consciência pública a respeito de ideias - prestação de contas, transparência, o direito do cidadão de participar -, que o governo deve servir ao povo", disse Xiao Qiang, professor de jornalismo da Universidade da Califórnia, Berkeley, que acompanha a atividade chinesa na internet. "Os cidadãos do mundo digital que agora compartilham os valores democráticos estão usando estes casos e fazendo pequenos progressos em cada um deles".

De todas as tempestades online, o caso de Deng é a maior, reunindo cerca de 4 milhões de publicações até o momento, ele disse. Sua história parece com a de milhões de chineses que não apenas cansaram da corrupção em pequenas instâncias mas também valorizam a castidade de jovens mulheres, causas que transcendem o espectro político.

"Deng Yujiao é uma metáfora para alguém que combate os oficiais e os oficiais são aquelas pessoas que usam o dinheiro do contribuinte e são corruptos e abusados com os cidadãos", ele disse. "É quase como um estereótipo da imagem online dos oficiais. Por isso o caso é tão grande".



Leia mais sobre China

    Leia tudo sobre: china

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG