Na China, alta do preço de licor nacional impulsiona falsificação

Alta de quase 50% da maotai, histórica bebida à base da fermentação de sorgo, deixa chineses indignados

The New York Times |

Se a história é realmente escrita pelos vencedores, então a isolada aldeia montanhosa de Maotai, no sul da província chinesa de Guizhou, acertou em cheio quando soldados do Exército Vermelho procuraram refúgio no local durante a primavera de 1935.

Exaustos após a longa caminhada em retirada dos combates com as forças nacionalistas, os guerrilheiros de Mao usaram a bebida estimulante da cidade para desinfetar feridas, acalmar diarreias e encorajar os nervos abalados.

The New York Times
Chinesa trabalha em destilaria de maotai, na cidade que deu origem ao nome da bebida nacional
"A Longa Marcha foi um sucesso em grande parte devido à maotai", o comandante rebelde Zhou Enlai disse mais tarde aos historiadores.

Em 1949, depois de se tornar primeiro-ministro da recém-criada República Popular, Zhou designou o licor de sorgo, chamado Moutai, como "o vinho nacional" da China, dando-lhe uma vantagem de marketing incontestável sobre as outras bebidas destiladas conhecidas como baijiu, nas mesas de todo o país.

Mas quando o preço de varejo da garrafa da bebida chegou a quase US$ 200 no mês passado - um aumento de 50% em dois anos - os chineses ficaram indignados e acusaram a destilaria estatal de abandonar as suas raízes revolucionárias para fazer sofrer o homem comum.

The New York Times
Garrafa de maotai, licor à base de sorgo, chegou a custar US$ 200 no mês passado
Não ajudou quando reportagens revelaram que a mesma garrafa é vendida pela metade do preço nos Estados Unidos e na Europa.

"Ouvi dizer que a maior parte dela é entregue em Zhongnanhai", disse Wang Yonghui, 32 anos, um caixa de banco apaixonado por baijiu, referindo-se ao condomínio de Pequim que abriga os principais líderes do país. "Nós pagamos mais e eles o recebem gratuitamente".

Aqui em Maotai, onde o odor pungente da fermentação do sorgo é avassalador e quase todos trabalham para a destilaria, a alta dos preços é vista com orgulho.

Preços

Mas os preços mais altos aumentaram o número de pessoas que fazem uso do maotai falsificado – o nome vem da ortografia pré-revolucionária do nome da cidade – e eles também estão desfrutando de um aumento nos negócios.

The New York Times
Morador de Maotai trabalha em destilaria própria que mantém em casa
Embora os funcionários da empresa culpem a falta de sorgo pelo aumento nos preços, os especialistas dizem ter mais a ver com o aumento da demanda, uma consequência da economia em crescimento da China, e com a chegada do Ano Novo Lunar, no dia 3 de fevereiro, um feriado em que o costume de dar presentes chega ao auge no país.

"O Moutai se tornou a Louis Vuitton da China", disse Liu Yuan, secretária geral da Associação Nacional de Licor e Circulação de Bebidas, um grupo comercial. "Dada a pouca fabricação e o preço alto, é uma boa maneira para os oficiais obterem favores e para os ricos mostrarem sua riqueza".

*Por Andrew Jacobs

    Leia tudo sobre: chinamaotaibebidalicorpreço

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG