Mortes desafiam tradição de dirigir nas praias da Flórida

Muitos questionam a prática de dirigir em praias perto de Daytona Beach depois que duas crianças foram mortas neste ano

The New York Times |

Sandy Fletcher, uma garçonete bronzeada do restaurante à beira-mar Breakers, lembra de ter visto a comoção em julho. Os salva-vidas pararam o fluxo normal de tráfego de domingo na areia dura. Sirenes soaram.

"Sabíamos que era algo ruim", disse ela. Os telefones celulares começaram a tocar. "Então eles disseram que era uma criança de quarto anos."

The New York Times
Menina aponta para carro que passeia na areia de New Smyrna Beach, Flórida
A vida de Aiden Patrick chegou ao fim minutos antes. Descalço e sorridente, o menino estava correndo em direção ao pai, quando uma caminhonete passou por cima dele. Ele foi a segunda criança morta este ano nas praias do Condado de Volusia, perto de Daytona Beach, e mais de um mês depois de sua morte, muitos moradores ainda estão muito abalados.

Mas a tradição de dirigir na praia continua. Na verdade, o que outros podem ver como um risco de que outros acidentes aconteçam, a maioria dos moradoras aqui vê como um direito de nascença, que mistura dois passatempos favoritos dos Estados Unidos no verão.

A área nunca cresceu tão rapidamente quanto os condados mais ao sul, e New Smyrna Beach, em particular – uma comunidade de cerca de 24 mil –, ainda mantém uma sensação de Flórida antiga, com suas varandas, calçadões e carvalhos cobertos com musgo.

Dentro da prefeitura, os oficiais são rápidos em dizer que o hábito de dirigir na praia começou com cavalos e buggies. Jake Baker, um planejador urbano, tem a prova: o mapa oficial de agosto de 1889 mostra que um trecho de 300 metros de largura da areia foi marcado como "Rua da Praia " e "dedicado a uma via pública".

Debates sobre a prática de dirigir na praia não são nenhuma novidade. Ao longo das décadas, vários processos foram arquivados - de ambientalistas que procuram proteger as tartarugas marinhas e de donos de imóveis de frente para o mar que reclamam os direitos de propriedade.

Frank Bruno, presidente do Conselho do Condado de Volusia, disse que as ações – juntamente com outros fatores, incluindo a chegada de areia macia vinda do sul – levaram a regulamentações mais voltadas à segurança e menos à praia para a condução.

Uma ou duas gerações atrás, quase todo o Condado de Volusia permitia carros na areia. Agora, dos cerca de 80 quilômetros de praia do condado, os veículos são permitidos em apenas 27 milhas. O Conselho do Condado de Volusia negou pedidos chorosos da família Patrick para acabar com a prática.

Em vez disso, o Conselho chegou a um acordo para colocar novas placas que dizem "Devagar – Crianças Brincando", nas rampas que conduzem às praias, além de sinais observando o limite de velocidade de 16 km/h. Bruno disse que a maioria dos moradores não tem interesse em fazer mais.

"A mudança não acontece com rapidez aqui no Condado de Volusia", disse. "Nós nos apegamos ao que temos."

A economia, reconheceu, é pelo menos em parte responsável. A cada ano, 8 milhões de visitantes vêm para as praias do condado. New Smyrna Beach tem a segunda menor taxa de propriedade do condado, principalmente, segundo os oficiais, porque suas praias atraem muitos dólares dos turistas.

* Por Damien Cave

    Leia tudo sobre: flóridapraiadirigircarrosatropelamento

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG