Morte de civis em ataques americanos enfraquece apoio popular no Afeganistão

MEHTARLAM - As forças militares americanas declararam o ataque noturno deste mês um sucesso, dizendo que 32 pessoas morreram, todas insurgentes do Taleban (fruto da ênfase dada pela inteligência ao uso das Forças de Operações Especiais).

The New York Times |

Mas os dois jovens que estavam no leito hospitalar desta cidade contaram uma história diferente em meados de janeiro, defendida pelo governador da província pró-americanos e pela delegação do governo central.

Eles concordaram que 13 civis foram mortos e nove feridos quando agentes americanos invadiram casas e soltaram cães de ataque sem nenhum alerta no dia sete de janeiro em busca de um insurgente conhecido em Masamut, na província de Laghman, leste do país. Os moradores ficaram tão indignados que ameaçaram marchar até a base militar americana no local.

Os relatos contraditórios ressaltam uma perigosa divisão cada vez maior entre os afegãos e as forças americanas que tentam expulsar o Taleban do controle do interior do país.

Cada casualidade civil ou morte acidental aumenta a raiva sentida pelos afegãos em relação ao governo e forças estrangeiras e isso faz com que os moradores não se disponham a ajudar as forças americanas, afirmaram os oficiais afegãos.

Enquanto isso, as forças americanas relutam em compartilhar as informações sobre futuras ações com as autoridades locais, temendo que a informação chegue ao Taleban.

Além disso, existe uma complicação para as forças que operam aqui: na ausência de uma força policial eficiente, muitos camponeses se armaram.

Neste ambiente cada vez mais complexo, a gestão Obama se prepara para enviar outros 30,000 soldados este ano. Conforme o plano se materializa, oficiais afegãos e alguns parceiros da coalizão expressam preocupação de que o uso de mais soldados apenas aumentara o grau de violência e as casualidades entre civis, depois de um ano no qual cerca de 4,000 deles foram mortos.

O ultraje em relação à morte de civis voltou a tomar conta do país no final de semana. Centenas de manifestantes tomaram as ruas de Mehtarlam, capital da província de Laghman, no domingo depois de uma ação militar americana na noite de sexta-feira. A patrulha matou pelo menos 16 camponeses, incluindo duas mulheres e três crianças, de acordo com uma declaração do presidente Hamid Karzai.

Karzai condenou a ação, dizendo que ela não foi coordenada com oficiais afegãos, e pediu que tais patrulhas deixem de acontecer. As forças militares americanas disseram que 15 militantes armados,
incluindo uma mulher, foram mortos.



Por CARLOTTA GALL

Leia mais sobre Afeganistão

    Leia tudo sobre: afeganistão

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG