Moda de ponta americana passa por momento de redefinição

NOVA YORK - O tecido nas mãos de Thakoon Panichgul, um dos estilistas favoritos de Michelle Obama, é belíssimo. Um jacquard italiano, feito com fios de oito cores diferentes, custa US$ 100 o metro. Um vestido que Panichgul planeja fazer com este tecido para seu desfile esta semana irá custar US$ 2.000.

The New York Times |

Panichgul teme que ainda que as pessoas amem roupas bonitas, elas não entendam por que elas custam tanto. "Está se tornando uma batalha perdida", ele disse.

A alta moda (fonte mais criativa da indústria de vestuário americana, engrenagem de revistas de estilo, material que compõe sonhos) está passando por um momento de depressão. Conforme mais uma temporada de desfiles tem início em Nova York, diante do clima mais inóspito visto nas lojas em muitos anos, há quem acredite que este não é apenas um momento difícil para a alta moda mas um que será definitivo.

A verdade é que cada vez mais pessoas compram na H&M e em outras lojas que vendem o chique barato. Fábricas que oferecem a refinada arte dos tecidos estão fechando da Itália a Nova York conforme as empresas se mudam para a China.

Consumidores não vêem longevidade nas roupas que compram. "Eu acho que o verdadeiro negócio do designer está em dificuldades, não há dúvida a respeito disso", disse um executivo de compras sênior da Macy's.

Com os consumidores temerosos em gastar, lojas de departamentos cortaram os pedidos em 30%. Para a próxima primavera - as coleções mostradas durante a Semana de Moda de Nova York até o dia 17 de setembro - há pouca mudança.

"Em meus 40 anos de moda eu nunca vi mulheres com medo de fazer compras - em todos os níveis de preço", disse Vera Wang, que vende vestidos de US$ 1.000 em lojas como a Bergdorf Goodman e também tem uma linha barata nas prateleiras da Kohl.

Os varejistas pressionaram designers como Wang a abaixar os preços.
Qualquer um que tenha entrado em uma loja vazia nos últimos meses pode entender o motivo disso.

Na terça-feira, a Neiman Marcus reportou uma perda de US$ 668 milhões durante o ano. A cadeia de lojas de luxo disse que as vendas do último quadrimestre em lojas abertas a pelo menos um ano caíram 23% em relação ao mesmo período do ano anterior. A Saks revelou uma perda de 16%.

Na quinta-feira, a indústria tentou excitar as pessoas com a abertura das lojas além do horário comercial em uma iniciativa batizada de "A Noite Fashion" ("Fashion's Night Out").


"Fashion's Night Out" tentou aumentar movimento nas lojas / NYT

Fabricantes de produtos de alto padrão questionam até onde poderão baixar os preços sem perder o prestígio, ou fazer cortes que podem compromete sua criatividade.

Embora a alta moda represente apenas uma pequena parcela da indústria de vestimenta de US$ 191 bilhões dos Estados Unidos, a criatividade das coleções de passarela inspira o mercado de massa e determina tendências que atraem os compradores de volta às lojas temporada após temporada, alimentando um amplo segmento da economia.

Mas nos últimos anos, os designers perderam certa credibilidade com os consumidores. Suas roupas se tornaram exoticamente caras conforme eles cortejavam celebridades e fechavam acordos rápidos e sujos com os responsáveis pela fast fashion.

Leia mais sobre moda no iG Moda

    Leia tudo sobre: ig moda

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG