Missão indiana irá procurar urânio na Lua

NOVA DÉLHI - A Índia lançou sua primeira aeronave não tripulada ao espaço nesta quarta-feira com o objetivo de orbitar a Lua, reafirmar seu poder espacial e reivindicar oportunidades de negócios.

The New York Times |

Acordo Ortográfico

A missão indiana deve durar dois anos, preparar um atlas tridimensional da Lua e buscar recursos naturais na sua superfície, inclusive urânio, de acordo com a Organização de Pesquisa Espacial da Índia.

A aeronave não irá pousar na Lua, mas deve enviar um pequeno "elemento de impacto" para avaliar sua superfície.

O lançamento da Chandrayaan-1, como foi batizada a aeronave (nome que pode ser traduzido como Veículo Lunar, acontece um ano depois da primeira missão lunar chinesa.

AP

Lançamento do satélite indiano

Rumores de uma corrida espacial com a China não puderam ser evitados, mesmo que o primeiro-ministro da Índia, Manmohan Singh, tenha uma visita marcada a Pequim para o final da semana.

"A China chegou mais cedo, mas hoje nós tentamos alcançá-la e diminuir esse vão", disse Bhaskar Narayan, diretor da agência espacial indiana.

A primeira viagem lunar da Índia carrega dois equipamentos da Nasa. O Mapeador de Minerais Lunares, ou M3, que irá analisar a composição mineral do solo lunar de sua órbita, e o Mini-SAR, que irá procurar por depósitos de gelo nas regiões polares do satélite.

A Chandrayaan-1 foi lançada de uma estação de pesquisas em Sriharikota, uma ilha localizada no Estado de Andhra Pradesh, no sul do país.

A missão lunar, além de demonstrar capacidade tecnológica, pode potencialmente gerar ganhos comerciais para o programa espacial da Índia. A habilidade do país de colocar satélites em órbita já resultou em acordos lucrativos. Israel, por exemplo, colocou satélites em órbita através de lançamentos indianos.

Leia mais sobre Índia

    Leia tudo sobre: índia

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG