Minuto a minuto, o intenso último dia da campanha presidencial

O último dia de campanha presidencial foi preenchido por inúmeros comícios, viagens e encontros para os candidatos, e ao longo do caminho quatro repórteres do New York Times estiveram lá para registrar a intensidade da linha de chegada. O que segue são relatos de Elisabeth Bumiller sobre a campanha de McCain, Jeff Zeleny sobre a campanha de Obama, John Broder sobre Biden e Julie Bosman sobre Palin.

The New York Times |

8h40 -

O senador Barack Obama deixa seu hotel em Jacksonville, Flórida , onde chegou sete horas antes após um voo noturno vindo de Ohio. Ele vai à academia para se exercitar e, apesar de não dizer nada no momento, já havia recebido um telefonema por volta das 8h dizendo que sua avó, Madelyn Dunham, havia morrido depois de uma batalha contra o câncer.

Mais tarde ele diria que Dunham foi uma "heroína silenciosa" por seu papel na sua criação.

9h30 -

Bem, aqui estamos em Tampa, Flórida, na primeira parada da turnê de 20 horas por sete Estados do senador John McCain. Ele já está atrasado meia hora, o que não é um bom sinal. "Vamos logo! Vamos logo!", gritam os agentes do serviço secreto para que os repórteres do avião de campanha sigam aos carros do comboio.

Em poucos minutos McCain chega ao local de seu comício no Estádio Raymond James, casa do time Tampa Bay Buccaneers e propenso às multidões de Barack Obama, com capacidade para 65,000 pessoas. McCain não está exatamente no estádio, que está vazio nesta quente manhã da Flórida, mas do outro lado da rua em um estacionamento. A multidão aqui é pequena, na casa das centenas, mas McCain realiza seu discurso como se falasse no Rose Bowl, apesar do sono ser perceptível em sua voz. Ele chegou ao seu hotel em Coral Gables, o Biltmore, por volta da 1h30, depois de um comício à meia-noite em Miami.

"Com este tipo de entusiasmo, esta intensidade, nós iremos vencer na Flórida", ele grita. Ele parece começar a acordar. O governador da Flórida Charlie Crist está no local, bem como o senador Mel Martinez, também do Estado.

McCain professa rapidamente um discurso preparado. Obama não pode ser confiado para liderar o pais, ele irá aumentar os impostos, acabar com os empregos, entre outras coisas.

Uau, agora ele realmente toma conta da situação. "Lutem por uma nova direção para o nosso país!" E "lutem para limpar a bagunça da corrupção!"

Pronto, seu discurso não durou mais do que 13 minutos. Pode ser um recorde.

11h03 -

A senadora Claire McCaskill do Missouri sobre ao palanque para apresentar o senador Joe Biden em Lees Summit, Missouri, e relembra que a candidata à vice-presidência do partido republicano, a governadora Sarah Palin do Alasca, também está no Estado nesta manhã, em um comício em Jefferson.

A multidão vaia. McCaskill silencia a todos dizendo: "Como diz Barack Obama, 'Não vaiam, votem!"'

McCaskill acrescente, falando sobre Biden, "Barack Obama escolheu a melhor pessoa no país para assumir a presidência, e, digamos, John McCain não fez isso".

11h15 -

Durante mais de três horas, o eleitores tomaram seus lugares no Auditório do Memorial dos Veteranos em Jacksonville, Flórida, aguardando ansiosamente. O candidato chega.

"Eu tenho apenas uma palavra para você, Flórida: Amanhã", disse Obama, arrancando uma onda de aplausos da multidão. "Nós estamos a um dia de mudar os Estados Unidos da América".

Com McCain já adiantado em sua agenda para o dia, Obama estava dormindo pela manhã? Não, afirmam seus assessores.

Depois de chegar no Hyatt do centro da cidade de Jacksonville nas primeiras horas da manhã, ele apareceu no saguão do hotel por volta das 8h40 (sim, aquele era o candidato democrata de boné e calça de

moletom) de onde seguiu para a academia Gold's Gym e se exercitou por 45 minutos.

Quando voltou ao hotel às 9h28 ele voltou a se recolher. Seus assessores disseram que ele tomou café, deu alguns telefonemas e encontrou com alguns consultores que explicaram o planejamento do dia, que incluía comícios em Jacksonville, na Carolina do Norte e Virgínia.

Por que apenas três Estados para Obama, quando McCain corre para cobrir sete nas próximas 20 horas? Primeiro, disseram seus assessores, os comícios de Obama são realizados em grandes arenas, não em hangares de aeroportos, então eles levam mais tempo. Segundo, de acordo com eles, os comícios agora buscam conquistar voluntários para ajudar no Dia da Eleição, então é importante que haja uma grande multidão, ao invés de algumas paradas rápidas para as câmeras locais.

11h26 -

Sim, Obama está usando um teleprompter para seu discurso em Jacksonville, mas aparentemente ele não está lendo com cuidado. Após 10 minutos de discurso, Obama falava sobre os comerciais que os republicanos veicularam contra ele.

"Aqui em Ohio", Obama começou. Ele pausou momentaneamente, quando as pessoas gritaram algo da multidão. Percebendo seu erro, ele rapidamente corrigiu a si mesmo. "Flórida!"

"Eu tenho viajado demais", disse Obama, antes de dar continuidade a suas palavras.

11h50 -

Parada número 2 para McCain, ainda cerca de 20 minutos atrasado na agenda. Os votos do Tennessee não estão disponíveis neste Estado seguramente republicano, mas McCain parou em Blountsville para atingir os vizinhos da Virgínia e partes da Carolina do Norte, dois Estados onde precisa desesperadamente vencer.

Estamos em um hangar de aviões e a multidão é grande, milhares de pessoas. O avião de campanha de McCain esta parado atrás dele como pano de fundo para as imagens transmitidas pela televisão. O dia está lindo, ensolarado e frio. O alto-falante é muito ruim.

"Este microfone foi patrocinado pelo Comitê Nacional Democrata", entoa McCain, que é recebido com risadas.

Joe o encanador está aqui. A multidão vaia quando McCain diz, mais uma vez, que Obama quer "espalhar a riqueza por aí". E que "ele é a extrema esquerda da política americana". E que ele nunca reconheceu os líderes de seu partido. E que ele disse que irá negociar incondicionalmente com ditadores. E assim segue, McCain está animado.

"O Mac está de volta !", ele grita.

No avião, alguém pergunta a Mark Salter, assessor pessoal de McCain, como ele planeja lidar com o dia. ""Crystal meth", ele responde, sem perder tempo. "Eu, pessoalmente, irei fazer uso deste subterfúgio".

Ele estava brincando, mas nem se preocupou em pedir que os repórteres não levassem isso a sério.

12h36 -

A equipe de Palin acaba de chegar a Jefferson, no centro do Missouri.

Nós estamos em um comício armado diante do Capitólio do Estado, debaixo de sol. Os repórteres são encaminhados a seu lugar de trabalho e algumas pessoas da multidão disparam: "Por favor, repórteres, por que vocês não fazem seu trabalho direito pelo menos uma vez!", diz uma senhora. "Booo, liberais!", grita outro homem.

A multidão é grande, mas nada perto da estimativa de 20,000 pessoas divulgada pela equipe. Há pouco sinal de McCain (a maioria dos pôsteres diz "País Primeiro" ou "Reforma, Prosperidade, Paz". Um grupo de mulheres usa camisetas com os dizeres: "Às vezes é preciso uma mulher para limpar a casa" e elas entoam "Sarah! Sarah!"

Rouca, Palin apresenta Hank Williams Jr., que canta o hino nacional e uma música sobre a "mídia liberal da esquerda", que leva a multidão ao delírio.

Palin fala por 25 minutos, atacando Obama por suas propostas para os impostos e fazendo referências ao clima. "O sol está brilhando para o planos que ele tem para a América", ela disse sobre Obama. "Seu plano fiscal é tão falso que já começa a se revelar".

Ela aponta para um cartaz na multidão: "Como aquele cartaz - não apenas perfure, baby, perfure ou minere, baby, minere, mas vote, baby, vote!"

1h50 -

Parada número 3 para McCain, em Moon Township, Pensilvânia. Esta é de grande importância, que faz parte do mundo de eleitores brancos, trabalhadores, pró-armas que McCain quer para si. O representante John P. Murtha, democrata que representa a região, chegou a dizer no mês passado que está é uma "área racista", algo que o comitê de McCain rejeitou.

Estamos em outro hangar de aviões, a multidão é menor. McCain apenas começou a falar e já grita que este é o momento "para lutarmos para tirar a economia do buraco". Essa é nossa deixa, hora de ir embora.

Esqueci de mencionar que na última parada ele falou sobre a imitação que a comediante Tina Fey faz de sua companheira de disputa, Palin, no programa "Saturday Night Live". McCain esteve no programa no sábado e conheceu Fey.

"Eu realmente acredito que Sarah Palin e Tina Fey foram separadas no nascimento", ele disse à multidão. "Acredito mesmo".

2h30 -

Obama subiu as escadas do aviao, embarcando numa viagem de 53 minutos até Charlotte, Carolina do Norte. Desde que seu comício terminou a mais de duas horas, Obama passou por diversas entrevistas de rádio, incluindo uma com Ann Compton da rede ABC News.

Os pontos altos:

Compton: Melhor momento da campanha?

Obama: "A noite do cáucaso no Iowa, foi maravilhosa".

Compton: Houve algum pior momento? Ou algo que o mantém acordado à noite?

Obama: "A noite em que perdemos New Hampshire foi difícil. Nós estávamos 10 pontos à frente de acordo com as pesquisas e perdemos por 2, por isso não quero considerar a vitória até que ela realmente chegue".

3h01

Biden, geralmente um dos políticos mais supersticiosos, sente cheiro de vitória.

"Há algo no ar, pessoal", ele diz a um grupo de repórteres à bordo de seu avião pouco antes do pouso em Columbus, Ohio, para a primeira de duas aparições no Estado.

A confiança é perceptível no sorriso de Biden e no fácil acesso que permite aos repórteres que viajam com ele há mais de dois meses.

3h55

Para número 4 para McCain, aeroporto de Indianópolis. A tarde está tranquila e agradável, mas a presença de McCain aqui às vésperas da eleição revela que ele ainda disputa com Obama este Estado antes tipicamente republicano. Más notícias para ele, mas as pesquisas mostram uma margem de diferença muito pequena.

Além de tudo isso, os microfones apresentam problemas. De novo? Ele repete a piada sobre o equipamento ter sido "patrocinado pelo Comitê Nacional Democrata".

Quase não se ouve o que o candidato diz e ele começa a soar mais rouco. Uma grande parte da equipe de viagem de McCain pegou uma gripe aguda e parece que o candidato será o próximo da fila.

4h15

Obama desce do avião em Charlotte sem falar com os repórteres.

4h30

Obama anuncia através de uma declaração que sua avó morreu cerca de 12 horas antes. Ele esperou para fazer o anúncio, segundo seus assessores, para poder dar andamento a sua agenda de campanha normalmente.

5h

Obama joga uma pequena bola de futebol ao ligar para eleitores da Carolina do Norte. Na quinta ligação, ele dá as costas às câmeras ao falar sobre saúde pública, dizendo: "Minha avó conseguiu ficar em casa até bem pouco tempo atrás".

5h48

Parada número 5 para a campanha de McCain, Roswell, Novo México. Nós estamos aqui na terra de supostos alienígenas em uma quente noite de outono. Outro comício em um aeroporto, outro discurso preparado.

"Nós precisamos vencer no Novo México amanhã!", encoraja McCain.

"Levem seus vizinhos às urnas. Eu preciso do seu voto!"

Aqui está algo realmente diferente. De repente, McCain grita: "eu fico feliz em anunciar que foi apoiado pelo alienígena".

Todos riem. Ainda faltam duas paradas.

    Leia tudo sobre: eleições nos eua

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG