Menção de Obama à livro de Roosevelt levanta especulações

Neste domingo, quando o presidente eleito Barack Obama apareceu no programa ¿60 minutos¿ da CBS, em sua primeira entrevista desde sua vitória na eleição, ele mencionou ter lido ¿um novo livro sobre os primeiros 100 dias de Franklin D. Roosevelt¿ sem especificar o título ou autor do livro.

The New York Times |

Acordo Ortográfico

O problema: ao menos três livros poderiam se encaixar nessa descrição e os editores e autores de cada um passaram a maior parte desta segunda-feira, 17, imaginando se seu título era o escolhido.

 Anthony J. Bager, professor na Universidade de Cambridge na Inglaterra, supôs que era seu livro FDR: The First Hundred Days (FDR: Os primeiros 100 dias) quando começou a receber mensagens dos produtores da CNN na manhã desta segunda-feira, pedindo entrevistas.

Enquanto isso, os executivos da Editora Penguin, editora de um livro que está para ser lançado, Nothing to Fear: FDR´s Inner Circle and the Hundred Days That Created Modern America (Nada a temer: o círculo interno de FDR e os 100 dias que criaram a América moderna), escrito por Adam Cohen (membro da editoria do The New York Times), estavam convencidos de que era seu título.

E então tem Jonathan Alter, repórter da Newsweek e autor do livro The Defining Moment: FDR´s Hundred Days and the Triumph of Hope (O momento decisivo: Os 100 dias de FDR e o triunfo da esperança), publicado em 2006. No domingo à noite, ele disse Eu tenho muitos e-mails no meu BlackBarry de amigos empolgados dizendo que Obama tinha acabado de mencionar meu livro, ponto de exclamação.

Desvendando o mistério

O mistério persistiu por mais um dia até que o porta-voz de Obama no final da segunda-feira disse que o presidente eleito estava na verdade se referindo a dois livros: o do escritor Alter e FDR de Jean Edward Smith, uma biografia publicada no ano passado pela Ramdom House que cobriu muito mais do que 100 dias do presidente. Mas os autores e editores dos outros dois livros claramente esperavam ter uma propaganda do próximo líder do Mundo Livre.

Já havia evidências de que Obama havia lido o livro de Alter. Na entrevista do dia 6 de novembro com Larry King na CNN, Paul Begala, analista político da emissora, disse, Jonathan Alter do Newsweek escreveu um livro maravilhoso chamado The Defining Moment, acrescentando que Obama havia feito citações do livro.

Mas The Defining Moment foi publicado por Sumon & Schuster em 2006 e a edição em brochura foi lançada no ano passado. Dado que Obama se referiu a um novo livro sobre Franklin Delano Roosevelt em uma entrevista, o trabalho de Alter não parecia estar dentro dos critérios. Alter disse que Obama é literário o suficiente para provavelmente estar lendo mais do que um livro naquele período.

Hill & Wang, editor do Farrar, Straus & Giroux, que originalmente imprimiu pouco menos de cinco mil cópias do FDR: The First Hundred Days em junho e recebeu uma escassa cobertura de revisão nos Estados Unidos, decidiu reimprimir cinco mil cópias nesta segunda-feira de manhã, em parte como resposta por pedidos de best-sellers. Em uma mensagem de e-mail, Bob Wietrak, vice-presidente de merchandising da Barnes & Noble Booksellers, disse que a companhia estava tentando conseguir mais cópias no estoque.

Propaganda para todos

Nesta segunda-feira, Badger disse que não estava certo de que o presidente eleito estava se referindo a seu livro, mas descobriu que a menção não poderia atrapalhar. É uma questão de sorte que isso venha nesse momento, disse.

Na noite de domingo, Cohen disse que recebeu diversos e-mails referindo-se de seus amigos, incluindo seu ex-editor, Scott Moyers, que agora é um agente da Wylie Agency em Manhattan, que mandou uma mensagem na qual o assunto era Bingo.

Tracy Locke, editor associado da Editora Penguin, disse Temos todas as razões para acreditar que este é o nosso livro, mas ela se recusou a dizer se a editora estava planejando aumentar o número de impressões. Após perceber que o livro de Cohen não era o referido na entrevista do 60 minutes, Locke disse que estava desapontada, mas acrescentou, Acho que o tempo é certo e o fato de que muitas pessoas na administração estão reconhecendo a importância daquele período só pode ser bom para nós.

Cohen disse que muitos fatores apontaram seu livro como sendo aquele citado por Obama, incluindo o tipo de distribuição feita na equipe de transição do presidente eleito e de que esse é um dos livros que David Remnick, editor do The New Yorker, tinha listado em seu blog como um dos livros que o novo presidente eleito deveria ler. Ele acrescentou, no entanto, que Obama pode estar lendo outro título também.

Jeff Seroy, porta-voz da Farrar, Straus & Giroux, disse que estar contente em ter um presidente eleito que deve melhorar as vendas de seu livro. Talvez ele seja a nova Oprah, disse, e um aumento na tendência de interesse em Roosevelt poderia fluir vários barcos, mesmo aqueles que ele ainda não leu.

Por MOTOKO RICH

Leia mais sobre Obama

    Leia tudo sobre: obama

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG