McCain lança nova estratégia para o Arizona

PHOENIX, Arizona ¿ Como regra geral, o senador John McCain não convoca a imprensa enquanto toma café da manhã no Arizona. Mas em uma manhã deste mês, depois de uma parada em seu escritório no Estado, McCain fez campanha em um restaurante onde pediu a voluntários para ¿que tenham certeza de que nossos eleitores estejam registrados, para ter certeza de que estejamos organizados.¿

The New York Times |

No mar de incertezas que define a política norte-americana, candidatos à presidência geralmente contam com os eleitores de seu Estado, e a derrota de Al Gore no Tennessee em 2000 é uma notável exceção. 

Mas, diversos fatores mostram que as chances de McCain no Arizona não são seguras, e sua campanha reconhece isso.   

O número de eleitores independentes no Arizona cresceu 12% desde 2004, e esses eleitores ajudaram a colocar um democrata no governo local, dando ao partido quatro dos oito assentos na Casa ¿ incluindo dois em 2006 e um em um distrito historicamente republicano. 

Ao mesmo tempo, os democratas do Arizona, assim como os seus companheiros ao redor do país, ultrapassaram os republicanos em número de eleitores, adicionando mais de 20 mil de eleitores desde março, em comparação com os 8.600 novos eleitores republicanos. O governador democrata Janet Napolitano, continua amplamente popular.

"Campo de batalha"

Desesperadamente, a campanha de McCain adicionou o Estado do Arizona à lista dos 24 campos de batalha, sinal de que os democratas do Estado têm tanta aderência ao eleitorado como granulados em cascas de sorvetes.

John McCain está em visível desvantagem aqui, disse Emily DeRose, porta-voz do Partido Democrata no Arizona. Nós vamos trazê-lo para a briga. Não daremos a ele um passe-livre no Arizona.

O Partido Republicano está mais ou menos em desarranjo e as rachaduras aparecem entre as facções moderadas e as estritamente conservadoras.  O presidente do partido no Estado, que prontamente atendeu a um evento da campanha de Ron Paul há dois meses, tem sido um espinho na política de McCain há anos. Na Super Terça, McCain conquistou 47% dos votos do seu partido, dificilmente a vitória que se esperava de um candidato que representa o Estado há 25 anos.  

As ambições democratas não devem ser muito maiores. Nem o senador John McCain nem Barack Obama, seu rival nas eleições gerais, parecem estar gastando dinheiro no Estado. Não há propaganda, e a campanha de Obama não pagou por equipes no Estado.

A diretora política de McCain, Sarah Simmons, declarou que a designação campo de batalha para o Arizona só significa que os eleitores daquele Estado nem sempre votam em republicanos para presidente. 

Obviamente, nós prestamos atenção em qualquer Estado que já tenha mudado de posição antes, disse Simmons. (O Arizona ajudou a eleger presidentes democratas duas vezes nos últimos 60 anos ¿ Harry Truman em 1948 e Bill Clinton em 1996.) 

A recente visita de McCain ao escritório de campanha em seu Estado para brindar os voluntários foi pouco usual durante uma eleição que tem tantos Estados em jogo. McCain está tentando apelar como fez Steven Townsend, um executivo da área da informática que mora no luxuoso Paradise Valley, nos arredores de Phoenix, e que disse ter votado muitas vezes em McCain.

Eu represento um grande grupo de republicanos desse Estado que se sente desiludido, disse Townsend, citando a guerra, a economia e as investidas ocasionais de McCain em território conservador como razões para o seu desencanto. 

Eu estou entre a porcentagem da população daqui que não liga para a história que muitos têm com ele, disse Townsend. Eu acredito que ele esteja suscetível aqui no Arizona. Não está tudo bem definido como muitos pensam.  

Desvantagem

Tendências demográficas podem não favorecer McCain. Aproximadamente 20% dos eleitores do Estado são latinos, grupo que tende a apoiar os democratas do Estado. Muitos republicanos do Arizona, incluindo o xerife do mais famoso condado, Maricopa, assumiu uma postura extremamente rígida com imigrantes ilegais.

Além do mais, existe um grande fluxo de eleitores jovens que tendem a favorecerem os democratas, e não os republicanos, em uma proporção de 2 para 1, disse Bruce D. Merrill, estudioso de votações no Estado. Muitas dessas pessoas estão se registrando pela primeira vez.

Eu nunca votei, e eu nunca me importei em votar, disse Sandy Simmons, 28. Mas esse é um momento muito excitante para a história. Ela disse que planeja votar em Obama.

O partido de McCain no Arizona também não tem sido o mais leal suporte para o candidato. O Estado assumiu o mais conservador e ativista braço do partido, que ficou furioso quando McCain apoiou uma medida do Senado que oferecia cidadania para imigrantes ilegais. O presidente do partido Republicano no Estado, Randy Pullen, já ofereceu suporte a outros candidatos.

"Ele é a melhor figura quase que por sorte, disse Pullen no escritório de campanha em Phoenix sobre McCain.  

Pullen dá os ombros para muitas das declarações que deu sobre McCain no passado, a maioria sobre o que ele aponta como a falta de credenciais conservadoras do senador. Aquilo foi antes; agora eu apoio totalmente John McCain.

Independentes  

A preocupação mais relevante de McCain deve ser os independentes que estão rapidamente se registrando desde a última eleição presidencial. Esses votos ajudaram claramente a eleição de muitos democratas em 2006. 

Enquanto os eleitores democratas registraram 33% dos eleitores de 2006, por exemplo, o governador reeleito Napolitano venceu com 63% dos votos válidos. No 5º Congresso Distrital ¿ que os republicanos controlam desde 1985 ¿ um democrata, Harry Mitchell, desbancou do cargo o republicano J.D. Hayworth, mesmo que apenas 27% dos eleitores registrados fossem democratas, a mesma porcentagem dos eleitores republicanos. Uma dinâmica similar conduziu a disputa pelo 8º Congresso Distrital, quando um democrata venceu a disputa por um assento em aberto.

As minhas pesquisas mostram que no Arizona, o novo independente é um tipo diferente de sete anos atrás, disse Merrill, estudioso de eleições. O antigo independente era mais libertário, mais tire o governo da minha vida. O novo independente, que apoiou massiçamente os democratas na última eleição é muito mais jovem, melhor educado e excessivamente anti-guerra.

Enquanto os democratas receberam bem a decisão de McCain de incluir o Arizona na lista de campos de batalha, o pronunciamento pode ter sido apenas um movimento estratégico, feito para levantar dinheiro ou motivar os voluntários, ou ainda bagunçar com a cabeça da oposição.

Eu não levei isso muito a sério, disse Pullen, presidente do partido Republicano. Eu provavelmente deveria chamá-los para perguntar a razão da decisão. Isso pode ser uma armadilha para Obama.

Simmons, chefe de equipe de McCain, disse que a falta de recursos de ambos os partidos mostrava que no Arizona não existia uma disputa real. Acho que foi um passo real dizer que o Arizona é um campo de batalha para nós, disse Simmons. Assim como dizer que Illinois é um campo de batalha para Obama.  

Por JENNIFER STEINHAUER

Leia mais sobre: eleições nos EUA

    Leia tudo sobre: eleições nos eua

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG