McCain adota tom mais leve no final de dois anos difíceis

PETERBOROUGH - Em algum canto do noroeste de Ohio, apenas cinco dias antes da eleição presidencial que a maioria dos especialistas diz que ele irá perder, o senador John McCain sentou na parte traseira de seu ônibus de campanha contando suas piadas favoritas de Henny Youngman.Ninguém riu tanto quanto ele mesmo.

New York Times |

Ninguém sugere que McCain esteja feliz por estar atrás nas pesquisas ou porque os conhecedores, como ele os chama, "os tiraram da disputa".

Mas nos agitados últimos dias de sua jornada de dois anos em busca da presidência, McCain abandonou a postura irritável que havia adotado há algumas semanas. Ele, aparentemente, decidiu chegar à terça-feira se divertindo.

"Se estivéssemos com 10 pontos de vantagem, estaríamos um pouco mais felizes", disse Mark Salter, um dos assessores pessoais de McCain.
"Mas ele enfrenta dificuldades com um vigor ainda maior".

Os dias de McCain começam antes do normal, por volta das 6h, para entrevistas em programas de rádio e televisão que tomam de 5 a 10 minutos de seu tempo. Depois disso, a rotina é a mesma desde o começo.
Ele e seus assessores se encontram para o café em sua suíte de hotel, repassam o plano para o dia, verificam os jornais e, ultimamente, analisam as pesquisas.

Durante o dia ele quase não se exercita, come doces e guloseimas espalhados pelo ônibus e dorme em sua poltrona na parte frontal do avião de campanha.

McCain toma remédios para dormir caso precise, mas ultimamente isso é um luxo. Ele planeja encerrar no domingo com um comício noturno em Miami, então descansar rapidamente e ir ao aeroporto à  8h onde irá partir para Tampa.

De lá ele irá embarcar em uma odisséia de 18 horas por sete Estados de todo o país: norte do Tennessee, nordeste da Pensilvânia, depois Indiana, Novo México, Nevada e finalmente para casa, no Arizona, onde irá realizar um comício noturno diante da corte da antiga capital do território, Prescott, cidade onde ele concluiu todas suas campanhas pelo Senado. Ele deve chegar a seu condomínio em Phoenix por volta das 2h do dia da eleição.

    Leia tudo sobre: eleições nos eua

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG