Luta de classes é travada com muito papel

Faz 82 anos desde que Eugene Debs morreu e mesmo que o socialismo tenha finalmente chegado aos Estados Unidos ¿ em forma de um gigante pacote de resgate de Wall Street ¿ isso não seria notado em uma visita ao escritório do Partido Socialista dos EUA.

The New York Times |

Em um cubículo grosseiro e antiquado em um prédio de um bloco no norte da Rua Houston, o escritório do partido nacional é um pequeno lugar estridente e inconstante, em uma sala com discursos de todos os tipos, onde papéis com frases ¿ que alguns chamam de propagandas ¿ foram cravados na parede.

Alimente os pobres! dizem eles. Ou Coma os ricos! e, ainda, Não acredite na mídia corporativa!. Como um primo mais velho da infância, a sala está sempre dando avisos.

Muitas das advertências atuais dizem respeito ao pacote de resgate, ao qual o partido se opôs por meio de uma série de comunicados elaborados, que defendem taxas federais a milionários e, por fim, a abolição de todos os mercados financeiros. É um choro distante do plano do governo de introduzir um sopro do comando no estilo soviético na economia capitalista ¿ a justaposição que os socialistas acham um absurdo.

Não faz nenhum sentido, disse Zelig Stern, motorista de táxi e secretário do partido na filial de Nova York. Socialismo corporativo não existe ¿ é uma contradição de termos.

Contradição ou não, parece que elas existem, para a grande decepção dos apoiadores do partido. Há, no entanto, certa dignidade em brigar pela luta de classes por 107 anos para então encontrar um estilo escolhido de governo empregado nos interesses da outra classe ¿ que é a chamada superior.

Funções do partido

E a luta ainda continua: em meio a eventos pacíficos, fóruns sobre saúde, seminários de imigração e reuniões para um café, com membros importantes da esquerda europeia. A função intrínseca ao escritório, no entanto, é certamente a publicação de uma infindável correnteza de páginas impressas: da revista quinzenal The Socialist (O Socialista) para órgão interno do partido conhecido por todos como Martelos e Alicates.

Se tem alguma coisa normal por aqui, disse Stern, é dobrar papel e colocar cartas em envelopes. E imprimir flyers , escrever panfletos, fazer cartazes e produzir inúmeras cópias de um folheto de uma página que são conhecidas, coletivamente, por a literatura. Depois de um tempo, realmente, começa-se a pensar que a razão de ser do gabinete do Partido Socialista é servir como um pacote de assistência financeira para indústria do papel.

Obviamente, também pode ser que o partido ¿ que nunca ganhou uma eleição presidencial (e está estável para perder outra) - a esse ponto, não tem mais a oferecer do que conselhos. Parece um aviso, talvez (especialmente em um tempo no qual até mesmo capitalistas estão questionando seu sistema), mas não mais do que opiniões impressas de uma oposição permanente: uma voz apaixonada quase nunca ouvida.

Em uma tarde recente, Stern e um colega sentaram no escritório planejando o resto das semanadas da agenda. Havia um comício de Ralph Nader em poucos dias e o último debate presidencial naquela noite. Mas primeiro havia uma pequena tarefa administrativa. Tinham acabado de comprar diversas tintas de impressora e papéis. Agora teriam que deixar os materiais de lado.

Por ALAN FEUER

Leia mais sobre luta de classes

    Leia tudo sobre: eua

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG