Líbia tenta equilibrar justiça e vingança após fim da era Kadafi

Inspirados na Europa e América Latina, líderes do governo interino querem expor segredos da violência dos 42 anos da ditadura

The New York Times |

O presente e o futuro são assustadores o suficiente para as instáveis autoridades da Líbia, mas há também que se levar em consideração um passado atormentado: quatro décadas de crimes cujas feridas precisam de atenção.

Leia também:
Ocidente aproveita oportunidades de negócios na Líbia
Otan encerra operação na Líbia após sete meses
Líbios buscam descartar passado sombrio da Universidade de Trípoli


NYT
Seção da prisão Abu Salim era usada para enclausurar presos políticos no regime de Muamar Kadafi, em Trípoli
Com assassinatos em massa, desaparecimentos e execuções públicas, as vítimas do Tribunal Popular de Muamar Kadafi, da Agência de Segurança Interna e do Tribunal de Segurança do Estado chegam aos milhares, segundo defensores de direitos humanos em Trípoli e no exterior. Como é que os líbios poderão fazer as pazes com o seu passado?

Os líderes provisórios estão cogitando opções para expor o extenso catálogo de assassinatos e tortura, analisando modelos da África do Sul, Europa e América Latina. Eles são motivados pela convicção de que uma nova nação não pode ser construída a menos que seus segredos sejam expostos.

Os detalhes estão sendo trabalhados como tantas outras coisas em um país que parece estar acordando de um pesadelo. Mas o ministro interino da Justiça, um veterano legal do governo de Muamar Kadafi , disse que há um plano experimental: investigação, audiências públicas e repressão, com o inquérito chegando aos primeiros dias da ascensão de Kadafi ao poder em 1969.

"Nós olhamos para o Chile, Argentina, África do Sul – fazemos parte da África do Sul", disse o ministro interino da Justiça, Mohammed al-Alagi, referindo-se à abordagem da Comissão da Verdade e Reconciliação, que enfatizava a averiguação e responsabilização, em vez da punição.

O mais importante, Al-Alagi sugeriu em uma entrevista no Ministério da Justiça vazio, é que os líbios lidem com os crimes de uma era Kadafi na qual não havia meios de comunicação independentes para relatá-los.

Essa prioridade deve ser maior até mesmo do que o julgamento e a punição, disse al-Alagi, um ex-líder da associação de Direito local e ex-oficial de alto escalão de uma fundação de direitos humanos durante a era Kadafi, de acordo com a Human Rights Watch.

Um especialista em Líbia sugeriu, no entanto, que Al-Alagi tinha avançado causas de direitos humanos na fundação, colocando a si mesmo em risco. "Era para Al-Alagi que muitos advogados pediam ajuda", disse o especialista, Heba Morayef Fatma, um pesquisador da Líbia que trabalha para o grupo Human Rights Watch. "Ele vai assumir o risco de realmente me dar informações."

Al-Alagi disse na entrevista essa semana que uma comissão de investigação seria criada "para mostrar ao público o que aconteceu, a verdade”. "Então, haverá julgamentos justos para todos."

Ele não deu detalhes sobre o comitê, dizendo apenas que foi proposto em um projeto de lei agora em análise pelo governo interino, o Conselho Nacional de Transição.

É claro que em um país sem instituições, com um sistema judicial que necessita de uma revisão completa e com milícias armadas por todo o país, um ajuste de contas legal com o passado pode estar um pouco distante. Além disso, também houve casos de morte por vingança.

No entanto, há indicações de que quando chegar a hora, os crimes da era Kadafi não serão varridos para debaixo do tapete: os líbios estão indignados com eles, mesmo que ainda não saibam todos os detalhes, e oficiais como Al-Alagi têm mostrado que também pensam na questão.

"Para reconstruir a sociedade, as pessoas devem saber toda a verdade", disse al-Alagi. "Você não pode imaginar como as pessoas sofreram por mais de 42 anos. Eles estupraram mulheres na frente de seus pais e irmãos."

Mas ele teve o cuidado de afirmar que a ênfase não deve ser de retribuição, uma indicação dos elos que persistem entre a nova e velha ordem, e o fato de que alguns membros do governo interino desempenharam papéis no governo de Kadafi. Na verdade, é um reconhecimento de que, até certo ponto, quase todos de alguma forma tiveram um papel em facilitar a velha ordem e sua catarse é o objetivo, não a punição.

"Não é o castigo, não é a vingança", disse o ministro da Justiça. "Quem é responsável pelo estupro? As pessoas devem saber. Depois disso, os julgamentos.” E então, Al-Alagi disse, "talvez iremos pedir uma lei para perdoá-los."

NYT
Grafite retratando Muamar Kadafi fora da prisão Abu Salim teve o rosto coberto por manifestantes


Um assessor sentado à longa mesa conferência ofereceu uma objeção rápida, no entanto. "Exceto por matar e estuprar pessoas", disse o assessor, Nureddin M. Ejledi, diretor do departamento jurídico e do Ministério das Relações Exteriores.

Al-Alagi disse que o objetivo central do Ministério Público teria que ser, na sua opinião, as várias dezenas de oficiais responsáveis pelas piores violações, alguns dos quais – ele não quis dizer quantos – já estão sob custódia. "O que é mais importante para nós são as pessoas que lideraram esses crimes", disse ele. "Não são mais do que 20 ou 25 pessoas."

Com duas semanas tendo decorrido desde a morte de Kadafi na mão dos combatentes que o encontraram em sua cidade natal, Sirte, o governo interino tem tido muitos problemas urgentes com os quais se concentrar. Mas as autoridades reconhecem a necessidade de "pôr em prática um sistema de Justiça" que vá além da vingança.

Leia também: Fim sem misericórdia levanta a questão: quem matou Kadafi?

"Durante meses temos dito às pessoas que tenham misericórdia e não se vinguem", disse Al-Alagi.
Há alguma impaciência com essa abordagem. O conselho de transição não realizou discussões "suficientes" sobre os crimes do passado, disse Jalal el-Gallal, um porta-voz do conselho.

"Não é um reflexo do humor das pessoas", disse Gallal. "As pessoas têm sofrido bastante. A maioria que estava no regime anterior ainda está andando por aí, o que é um bom sinal de tolerância.” Mas ele sugeriu que nas ruas há um desejo mais premente de retribuição.

Por Adam Nossiter

    Leia tudo sobre: líbiakadafimorte de kadafimundo árabecntjustiçacomissão da verdadeditadura

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG