WASHINGTON - O Exército e a Força Aérea dispensaram um número desproporcional de mulheres em 2007 sob a política não pergunte, não diga que proíbe que os homossexuais declarem sua opção ao servir as forças militares, de acordo com estatísticas do Pentágono.

Ainda que as mulheres representem apenas 14% do pessoal do Exército, 46% das pessoas dispensadas de acordo com a política no ano passado eram do sexo feminino. Da mesma forma, elas representam 20% da equipe e 49% dos dispensados por não respeitar a política da Força Aérea em 2007.

Em comparação a 2006, cerca de 35% das dispensas do Exército e 36% da Força Aérea eram mulheres, de acordo com as estatísticas.

A informação foi reunida pelo Ato de Liberdade de Informação requisitado pela Rede de Defesa Legal dos Membros do Serviço Militar, a organização de defesa da política.

"As mulheres representam 15% das Forças Armadas, então saber que são quase 50% das dispensas de acordo com a política 'não pergunte, não diga' é chocante", disse Aubrey Sarvis, diretora executiva da organização. "As mulheres foram pegas na rede dessa lei contra-produtiva".

A organização reuniu estatísticas por gênero sobre sobre as dispensas, mas não realizou nenhuma entrevista formal, então não pôde oferecer razões confirmáveis do aumento na dispensa de mulheres de acordo com a política.

O Pentágono publicou recentemente o número de dispensas sob a política em 2007, sem informar as diferenças entre os sexos.

Em geral, o número de gays e lésbicas dispensados das forças militares em 2007 subiu para 627 de 612 um ano antes, de acordo com as estatísticas.

Esses números representam uma queda de 50% de um pico em 2001, antes das guerras no Iraque e Afeganistão.

Apesar da exigência das forças armadas por causa das duas guerras, o Pentágono não defende uma mudança na política, dizendo que depende do Congresso decidir se a lei deve ou não ser alterada.

Em novembro foi o 14º aniversário da lei que permite que gays e lésbicas sirvam as forças militares, mas apenas se mantiverem sua orientação sexual em segredo.

Grupos de defesa afirmam que mais de 65,000 gays e lésbicas servem as forças militares norte-americanas e que há mais de 1 milhão de veteranos homossexuais.

As autoridades do Pentágono não souberam explicar a diferença nos números de mulheres dispensadas do serviço sob a política.

Leia mais sobre: homossexualismo

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.