Las Vegas enfrenta sua pior recessão desde os anos 40

Capital dos jogos de azar dos Estados Unidos, cidade está em meio a maré econômica ruim e baixas expectativas

The New York Times |

Há muitas cidades em todo o país que estão começando a ver os primeiros lampejos do fim da recessão. Mas Las Vegas não é uma delas.

Las Vegas, a capital do jogo de azar dos Estados Unidos, está sob uma impressionante confluência de forças econômicas que a colocou no que os oficiais descrevem como sua pior crise desde que os cassinos começaram a surgir no deserto em 1940.

Mesmo enquanto os líderes da cidade se mantêm na expectativa de que as receitas do jogo irão se recuperar com a melhora da economia do país, especialistas projetam que não será suficiente para compensar um realinhamento mais profundo que aconteceu ao longo da recessão: o colapso da indústria da construção que era o outro pilar econômico tanto da cidade quanto do Estado.

The New York Times
A cidade conhecida internacionalmente por seus cassinos passa por um dos piores momentos desde a década de 40
Agora, o desemprego em Nevada é de 14,4%, o maior do país e um forte contraste com a taxa de desemprego de 3,8% registrada há 10 anos; em Las Vegas o índice é de 14,7%. Agosto foi o 44º mês consecutivo em que o Estado de Nevada liderou no número de desapropriações do país.

O Plaza Hotel e Cassino, que fica no centro da cidade, anunciou recentemente que iria demitir 400 trabalhadores e fechar seu hotel e partes do cassino para uma eventual reforma, o mais recente problema em uma cidade que viu muitos deles.

"Estivemos muito mal antes, mas não tanto assim", disse David G. Schwartz, diretor do Centro de Pesquisa sobre Jogos da Universidade de Nevada, em Las Vegas. "Se você olhar para as receitas do jogo, elas caíram continuamente ao longo dos últimos três anos".

Natureza da crise

O que é preocupante agora é a natureza dessa crise econômica, quando muitas pessoas viram o valor de seus fundos de aposentadoria ou imóveis desabar. Os economistas dizem que as pessoas estão menos propensas a jogar livremente como faziam no passado, particularmente a geração pós-Segunda Guerra Mundial, que agora poderia considerar o jogo como um entretenimento de aposentadoria. Em um sinal disso, embora houvesse mais pessoas vindo para Las Vegas nos últimos meses, as receitas de jogo permaneceram estagnadas.

The New York Times
Cassinos anunciaram recentemente que iriam demitir trabalhadores, em consequência da baixa econômica
Especulação

A recessão no jogo é apenas uma grande parte do mal-estar econômico. Nevada está pagando um preço alto pela construção comercial e residencial desenfreada, e muitas vezes especulativa, que deixou o mercado saturado. Como resultado, a confiança de que o retorno dos turistas por si só estimularia a cidade a se recuperar automaticamente após essa recessão chegou ao fim.

"Houve um tempo, há 25 anos, em que a recuperação do turismo trazia recuperação ao Estado", disse Billy Vassiliadis, executivo-chefe da agência de publicidade que representa a Autoridade de Convenções e Visitantes de Las Vegas. "Esse já não é mais o caso. O outro lado da economia aqui vai ser mais difícil. É preciso que haja algum esforço real e deliberado para reconstruir uma economia aqui. Isso não vai acontecer por si só", concluiu.

*Por Adam Nagourney

    Leia tudo sobre: las vegasnevadaeuacassinoscrise econômica

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG