Karzai não parece acreditar que Ocidente possa vencer o Taleban

Funcionários afegãos indicam que presidente do Afeganistão não acredita que EUA e Otan prevalecerão no país asiático

The New York Times |

Durante uma conferência nacional para a paz neste mês, duas autoridades de alto escalão do Afeganistão mostraram evidências de um ataque de foguetes em uma região remota do país ao presidente Hamid Karzai e a resposta que obtiveram foi que Karzai não acreditava que o Taleban fosse responsável. "O presidente não mostrou nenhum interesse nas evidências - nenhum. Ele as tratou como lixo", disse Amrullah Saleh, o então diretor do serviço de inteligência afegão.

Saleh se recusou a detalhar a argumentação de Karzai, mas um importante afegão com conhecimento do encontro, que falou sob condição de anonimato, disse que o presidente sugeriu que os americanos podiam ser responsáveis pelo ataque.

AFP
Presidente do Afeganistão, Hamid Karzai
Minutos depois da conversa, Saleh e o ministro do interior, Hanif Atmar, pediram demissão - a deserção mais dramática do governo de Karzai desde que ele chegou ao poder, há nove anos. Saleh e Atmar disseram que deixaram seus cargos porque Karzai deixou claro que já não acreditava que os dois fossem leais.

Mas, por trás disso, de acordo com Saleh e oficiais afegãos e americanos, havia algo mais profundo: que Karzai perdeu a fé em que os americanos e a Otan conseguirão prevalecer no Afeganistão.

Por esse motivo, Saleh e outras autoridades disseram, Karzai tem pressionado para conseguir seu próprio acordo com o Taleban e o arquirrival do país, o Paquistão, patrocinador de longa data do grupo terrorista.De acordo com um ex-oficial de alto escalão afegão, as manobras de Karzai envolvem negociações secretas com o Taleban fora do alcance de oficiais da Otan ou Estados Unidos.

Pessoas próximas ao presidente dizem que ele começou a perder a confiança nos americanos no verão passado, depois de eleições nacionais nas quais monitores independentes determinaram que quase 1 milhão de cédulas haviam sido fraudadas em favor de Karzai. A divisão aumentou em dezembro, quando o presidente Barack Obama anunciou que pretende começar a reduzir o número de tropas americanas no país até o verão de 2011.

Se a decisão de Karzai de trabalhar com os Estados Unidos e usar seu próprio Exército para combater o Taleban está enfraquecendo, isso pode representar um problema para Obama. A estratégia de guerra americana depende de conquistar as regiões mantidas pelo Taleban para que o Exército de Karzai e o governo local possam tomar conta, permitindo que os americanos diminuam a escala de seu envolvimento em uma guerra cada vez mais impopular e cara.

Funcionários americanos tentaram consertar o relacionamento com Karzai durante sua visita à Casa Branca no mês passado. Na verdade, em muitas questões, como iniciar contato com líderes Taleban e persuadir seus militantes a que mudem de lado, Karzai e os americanos têm a mesma opinião.

Mas sua motivação parece ser surpreendentemente diferente. Enquanto os americanos e seus parceiros da Otan estão investindo milhares de soldados adicionais no país para enfraquecer o Taleban e forçar uma negociação com o grupo, Karzai parece acreditar que a ofensiva ocidental não funcionará.

* Por Dexter Filkins

    Leia tudo sobre: AfeganistãoEUATalebanKarzai

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG