Judeus de Mumbai reconsideram tranquilidade de sua existência

MUMBAI - A fachada turquesa do prédio da era colonial onde fica a Sinagoga Keneseth Eliyahoo no coração do distrito financeiro da cidade há muito é uma atração turística, um lembrete dos séculos de influência judaica que ajudaram a moldar Mumbai, e da aceitação que os judeus encontraram aqui.

The New York Times |

Acordo Ortográfico

Mas depois dos ataques terroristas da semana passada, os judeus de Mumbai enfrentam com desânimo a possibilidade de outro prédio repentinamente competir com a sinagoga de 124 anos como símbolo de sua presença: os escombros da Casa Nariman, onde homens armados mataram o rabino Gavriel Holtzberg, sua mulher, Rivka, e outros quatro judeus.

Apesar de nenhum dos judeus mortos no ataque à Casa Nariman, centro comunitário coordenado pelo movimento Chabad-Lubavitch, serem cidadãos indianos, a violência abalou sua comunidade na Índia. Mumbai tem cerca de 4 mil judeus.

"Esta é a primeira vez que um judeu foi alvo na Índia simplesmente por seu judeu", disse Jonathon Solomon, advogado de Mumbai e presidente da Federação Judaica Indiana. "A tradição dos últimos milhares de anos foi rompida".


Antenado contra centro judaico matou o rabino, a mulher e mais quatro pessoas/ NYT

A origem dos judeus indianos permanece incerta, mas eles podem ter chego ao país como emissários da corte do rei Salomão. Aqui, estabeleceram comunidades e conviveram pacificamente com hindus, jains, budistas e, depois, muçulmanos. A ausência do anti-semitismo ao longo da história sempre foi motivo de orgulho na Índia.

Os judeus tiveram papel importante em diversas cidades costeiras do país, principalmente em Mumbai. Mercadores judeus do Iraque, Síria e países do Oriente Médio chegaram por volta do século 18 no que era então  a britânica Bombaim e se estabeleceram nos negócios, abrindo tecelarias e companhias de comércio internacional.

Por causa da imigração, restam apenas cerca de 200 dos judeus de Bagdá, como são conhecidos, em Mumbai. Mas seu legado permanece: sinagogas, bibliotecas e escolas, muitas das quais são frequentadas por judeus e não judeus.

Hoje, a maioria dos judeus de Mumbai tem origem em um grupo conhecido como a comunidade Bene Israel, que diz ser descendente das sete famílias judaicas cujas embarcações naufragaram na costa da Índia enquanto fugiam da Galileia durante o segundo século a.C. Ao longo dos séculos, eles adotaram a língua indiana, suas vestimentas e culinária.

"Este ataque realmente nos atingiu", disse um educador judeu de Mumbai. "Se eles puderam exterminar tão facilmente a Casa de Chabad (a propriedade e as pessoas) agora temos que repensar nossa segurança".

Por JEREMY KAHN

Leia mais sobre atentado em Mumbai

    Leia tudo sobre: atentadoíndia

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG