Japão: Apelo emocionado de prefeito no YouTube tem grande retorno

Vídeo em que governante da cidade de Minamisoma pede socorro se torna sensação e leva a diversas ofertas de ajuda estrangeira

The New York Times |

O prefeito da cidade de Minamisoma, aparentemente abandonada, fez um apelo emocionado por ajuda diante de uma pequena câmara de vídeo digital e o publicou na internet como quem lança uma garrafa contendo uma mensagem de socorro em um mar digital.

nullNa gravação de 11 minutos, o prefeito Katsunobu Sakurai descreveu a situação de grande dificuldade de Minamisoma, cujos moradores ainda estavam se recuperando do devastador terremoto e consequente tsunami do dia 11 de março, quando foram obrigados a permanecer dentro de casa por causa da radiação da usina nuclear que fica a 24 quilômetros distância. Aqueles que não fugiram agora enfrentam a fome, ele disse, uma vez que estão presos em suas casas ou nos abrigos para refugiados por causa do alerta nuclear, o que também impediu a chegada de alimentos.

“Estamos isolados", disse Sakurai para a câmera, com a testa franzida e a voz exausta. "Peço, como prefeito da cidade de Minamisoma, que vocês nos ajudem”.

O vídeo, publicado no YouTube um dia depois que foi gravado no final da noite de 24 de março, tornou-se uma sensação instantânea e desde então atraiu mais de 200 mil espectadores.

Quase duas semanas depois, a prefeitura ainda está recebendo telefonemas, a maioria de estrangeiros com ofertas de ajuda. A cidade também tem recebido centenas de caixas de comida e outros suprimentos de indivíduos e caminhões de suprimentos de organizações sem fins lucrativos.

"É incrível quantos desses doadores dizem ter nos visto no YouTube", disse Noriyoshi Saito, que trabalha na seção econômica da Câmara Municipal e é responsável pela movimentação de mercadorias doadas.

Sakurai descreveu a súplica online como o ponto de virada na luta contra o desastre triplo enfrentado por Minamisoma, que transformou esta cidade de 75 mil pessoas em uma cidade fantasma. Cerca de 50 mil moradores fugiram nas duas primeiras semanas após o terremoto, embora um pequeno número tenha começado a retornar.

Sakurai credita a resposta em grande escala ao seu vídeo pela ajuda que têm chegado àqueles que permaneceram na cidade. "De repente, o mundo estendeu sua mão a nós", disse Sakurai, 55 anos, um homem enérgico, que ainda usa o mesmo uniforme bege que vestia ao gravar como no vídeo, mas agora sorri e parece mais relaxado. "Nós descobrimos que não estamos sozinhos".

Hoje, a cidade está lentamente voltando à vida. Embora a ordem para permanecerem em casa ainda exista, muitos dos moradores remanescentes começaram a ignorá-la. Postos de gasolina e lojas de conveniência estão começando a reabrir. Carros estão circulando pelas vias principais, mas as ruas laterais e suas lojas ainda permanecem assustadoramente vazias.

"Eu espero que apenas abrindo a minha loja eu possa ajudar a levar força ao coração das pessoas", disse Yasuko Sanno, proprietário de uma pequena mercearia que era uma das poucas lojas abertas recentemente em uma rua comercial. Sanno, que disse haver retornado depois de passar quase duas semanas em uma provincial vizinha, cobriu as janelas da loja com cartazes que proclamando: "Aguenta aí, Minamisoma!"

Em uma zona costeira amplamente danificada, os sobreviventes estão vasculhando as ruínas em busca de seus pertences, enquanto equipes de resgate procuram por corpos. Das quase 1,5 mil pessoas que acredita-se terem morrido por causa do tsunami, apenas 358 foram encontradas.

Limbo

Os moradores da cidade dizem que as coisas estão lentamente voltando ao normal, embora a persistência da crise em Fukushima Daiichi ainda mantenha a comunidade em uma espécie de limbo e incerta de seu destino.

Na segunda-feira, Sumio Tanaka conseguiu reabrir seu restaurante de sushi, o Satsuki, pela primeira vez desde o terremoto. Ele disse que as entregas de alimentos estavam começando a voltar, embora tivesse apenas uma quantidade limitada de peixe vindo do outro lado do Japão.

Embora ele não soubesse do vídeo do YouTube, Tanaka elogiou o prefeito por trabalhar duramente para colocar a cidade de volta em seus pés. "O prefeito realmente coloca seu coração em Minamisoma", disse Tanaka, 62 anos.

*Por Martin Fackler

    Leia tudo sobre: japãoterremototremortsunamiusina nuclear

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG