Israel pode interromper assentamentos na Cisjordânia

JERUSALÉM - Israel pode interromper os assentamentos na Cisjordânia por um período de três a seis meses como parte de um amplo esforço de paz no Oriente Médio que inclui a proposta palestina em negociar um fim do conflito, além de medidas por parte de grandes nações árabes que devem aumentar a confiança na região, afirmaram oficiais do país no domingo.

The New York Times |

Os oficiais falaram antes de um encontro planejado para ocorrer em Washington na terça-feira entre o ministro da Defesa Ehud Barak e George J. Mitchell, enviado do Oriente Médio da gestão Obama, e disseram que esta é a mensagem que Barak carregará consigo.

A interrupção não afetaria as construções em andamento, tampouco incluiria a zona Leste de Jerusalém. Mas significaria que durante este período específico nenhum tipo de construção será inciada em blocos de assentamento fechados que Israel espera manter em um futuro acordo de dois Estados com os palestinos.


Colonos judeus continuam com construções em regiões da Cisjordânia / Getty

Ainda que tal oferta não esteja à altura da exigência do presidente Barack Obama de que Israel interrompa toda construção de assentamentos, ela é a resposta mais positiva vinda de oficiais sênior israelenses até o momento e sugere que a pressão americana está tendo efeito.

Até agora, oficiais israelenses insistem que os assentamentos não podem acabar "o crescimento natural" ou a "vida normal", o que significa a construção feita para os filhos daqueles que vivem neste locais.

Os oficiais que falaram sobre a possibilidade de uma interrupção temporária disseram que a questão é delicada em Israel, e por isso eles não estão preparados para que seus nomes sejam publicamente relacionados à ideia neste momento. Mas falaram com clara autoridade.

Eles calculam que cerca de duas mil construções estão em andamento na Cisjordânia neste momento e disseram que elas seriam concluídas sob a nova proposta, mas nenhuma nova construção seria iniciada. Eles também disseram que se os amplos esforços de paz não derem em nada, a construção recomeçará.

O próprio Barak se recusou a falar sobre a questão da interrupção temporária em uma conversa no domingo com o The New York Times, dizendo apenas que os assentamentos devem ser vistos como parte de uma série de problemas que precisam ser solucionados para que haja paz no Oriente Médio.

"Para nós, é muito importante que os palestinos se comprometam a buscar o fim deste conflito e acabar com qualquer exigências", ele disse. "Nós não devemos isolar está questão dos assentamentos e fazer com que ela seja mais importante do que as outras. Ela foi debatida no contexto de uma discussão maior sobre a paz".

Israel, ele disse, quer um acordo regional que leve a um Estado para os palestinos e à segurança para seu povo.

Leia mais sobre assentamentos israelenses

    Leia tudo sobre: cisjordâniaisrael

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG