Irã interrompe fabricação de imagens de "Neda"

Fábrica é fechada após tentar produzir estatuetas em homenagem aos mortos nos protestos que se seguiram à reeleição de Ahmadinejad

The New York Times |

Uma fábrica foi fechada depois de tentar produzir em massa estatuetas de pessoas que foram assassinadas nos protestos que se seguiram à contestada eleição presidencial do ano passado no Irã, entre eles Neda Agha-Soltan, uma jovem de 26 anos que se tornou um ícone da oposição quando um vídeo mostrando o momento em que foi baleada foi veiculado em todo o mundo.

O website pró-governo Aty News relatou na quarta-feira que a fábrica, localizada na província oriental de Semnan, foi lacrada após apenas um mês de funcionamento, embora as autoridades neguem o fechamento.

The New York Times
Manifestantes seguram bandeiras e imagem de Neda durante protestos contra o presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad (23/09/2009)
O site relatou que o gerente da operação, identificado apenas pelas iniciais "H. M.", tinha a intenção de produzir estatuetas de Neda e havia feito campanha em nome de um dos candidatos derrotados na eleição presidencial do ano passado.

Ele afirma também que as 40 funcionárias da fábrica trabalhavam sem hijabs, o lenço que cobre a cabeça e as roupas soltas exigidas pela lei iraniana, e interagiam livremente com os funcionários homens.

Neda Agha-Soltan se tornou mártir da oposição do Irã após um vídeo de sua morte por disparos ter circulado amplamente na internet. Forças de segurança governamentais mataram pelo menos 70 pessoas em seus esforços para suprimir os protestos no ano passado, segundo grupos de direitos humanos.

A memória de Neda foi relembrada em um documentário de 70 minutos da HBO, que foi transmitido na semana passada pela emissora via satélite Voice of America às vésperas de 12 de Junho, aniversário da eleição presidencial que a oposição afirma ter sido fraudada.

Os líderes da oposição têm convocado comícios para marcar a ocasião, embora o governo esteja reunindo uma enorme força de segurança para garantir que isso não aconteça .

A produção em massa de estatuetas de Neda teria sido intolerável para o governo iraniano, que continua a negar que membros da milícia Basij, financiada pelas autoridades, tenham sido responsáveis por sua morte em junho do ano passado.

A mídia estatal iraniana veiculou diversas explicações para sua morte, incluindo a incrível alegação de que uma correspondente da BBC havia planejado que ela fosse baleada como parte de uma guerra da mídia estrangeira contra o país.

Em janeiro, o canal internacional do Irã em inglês, Press TV, veiculou uma reportagem que afirmava que Neda havia fingido sua morte com a ajuda de cúmplices que mais tarde a mataram a caminho do hospital.

No mês passado, a agência de notícias semioficial Fars informou que o Ministério dos Serviços de Inteligência haviam elaborado um novo documentário sobre Neda que conteriam mais evidência de que ela fez parte de uma "conspiração ocidental".

* Por William Yong

    Leia tudo sobre: IrãMahmoud AhmadinejadprotestoseleiçõesNeda

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG