Irã diz que cientista nuclear era agente duplo

Imprensa iraniana afirma que Shahram Amiri forneceu informações sobre a CIA, mas EUA chamam anúncio de "piada"

The New York Times |

O Irã fez um novo anúncio na quarta-feira a respeito da deserção e suposto retorno de um cientista nuclear do país, assunto que está se tornando uma bizarra guerra de propaganda. Por meio do veículo de imprensa semioficial iraniano, as autoridades sugeriram que ele era um agente secreto que forneceu "informações valiosas" sobre o funcionamento interno da Agência Central de Inteligência dos EUA, a CIA.

As autoridades americanas afirmaram que o cientista, Shahram Amiri, foi informante da CIA no Irã durante muitos anos, fornecendo informações "importantes sobre o programa nuclear do Irã e voluntariamente desertando para os Estados Unidos em 2009".

Amiri retornou ao Irã na semana passada, dizendo que havia sido sequestrado e torturado por autoridades americanas.

Agora o Irã parece retratar Amiri - cujo destino era aparentemente incerto após o seu regresso na semana passada - como um agente duplo heróico que atuou em um plano para superar as agências de inteligência americanas e fornecer informações falsas sobre o programa nuclear do país.

Sua história será retratada em um filme para a TV por uma empresa afiliada à emissora estatal iraniana, segundo a agência de notícias semioficial Fars.

"Esta foi uma guerra de informação entre nós e a CIA, que foi planejada e gerenciada pelo Irã", disse uma fonte não identificada que tem laços estreitos com o Corpo da Guarda da Revolução Islâmica e foi citada pela Fars.

A pessoa referida como fonte de informação disse que Amiri havia começado a trabalhar com os agentes iranianos assim que eles conseguiram contatá-lo este ano, fornecendo uma lista de outros iranianos que a CIA pretendia sequestrar, além de outras informações.

Como exemplos, citou os números das placas de dois carros que seriam usados pela agência e um codinome para um deles - "spitfire".

As autoridades americanas responderam com escárnio às novas reivindicações iranianas.

"Ele nunca teve acesso a informações de inteligência americana", disse um oficial, que falou sob condição de anonimato porque detalhes do caso são confidenciais. "Isso é uma piada. Quando você compara o que Amiri pode ter aprendido aqui - o que ele comeu no jantar ou o nome falso de alguém com quem pode ter se encontrado - contra as informações que nós recebemos sobre o programa nuclear do Irã, está absolutamente claro que nos demos melhor".

As autoridades americanas dizem que Amiri forneceu detalhes de como uma universidade de Teerã tornou-se o quartel-general secreto dos esforços nucleares do Irã, e que ele se tornou uma fonte muito disputada de Estimativa Nacional de Inteligência sobre o programa iraniano de armas suspeitas.

O Irã tem mantido por muito tempo que seu programa nuclear tem apenas fins pacíficos.

A pessoa citada pela Fars sugeriu que as informações fornecidas por Amiri não passaram de um ardil, ou simplesmente não tinham valor.

"Tivemos que estabelecer metas de inteligência diferentes na concepção desta batalha e - pela graça de Deus - fomos capazes de alcançar todos os objetivos sem o nosso rival obter qualquer vitória real", disse a pessoa citada pela agência de notícias.

Oficiais americanos descreveram o relato de Amiri (de que foi raptado durante uma peregrinação pela Arábia Saudita e mais tarde detido contra sua vontade nos Estados Unidos) como uma "fantasia" destinada a salvar a sua vida.

A nova alegação de que ele era um agente duplo parece destinada a reforçar essa história.

No momento, o Irã tem tentado transformar o retorno de Amiri em uma vitória, permitindo que os jornalistas cubram sua chegada ao aeroporto de Teerã, enviando um oficial do Ministério de Assuntos Externos para cumprimentá-lo e, agora, planejando um filme sobre a sua aventura.

Mas mesmo que ele seja tido como um herói agora, alguns analistas dizem que o destino de Amiri a longo prazo ainda é incerto, mesmo porque o Irã deve deixar claro para outros desertores em potencial que existe um preço a ser pago por tais ações.

Também na quarta-feira, o Irã anunciou novos planos para o seu programa nuclear, dizendo que irá realizar estudos para a construção de um reator de fusão nuclear, de acordo com a agência oficial de notícias Irna. A geração de energia através da fusão nuclear tem sido um sonho para os físicos de todo o mundo há décadas.

Por William Yong e Robert F. Worth

    Leia tudo sobre: irãeuacientista

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG