Inspeções em aeronaves cancelam milhares de vôos nos EUA

Passageiros aéreos, cujos planos já foram interrompidos por milhares de vôos cancelados recentemente, devem enfrentar o caos ainda nas próximas semanas, na medida em que a Administração Federal de Aviação e as companhias aéreas norte-americanas expandiram sua inspeção em aviões de passageiros.

The New York Times |

O cancelamento de vôos de companhias como a American, Alaska, Delta e Southwest resultou de uma rodada de inspeções, exigida pela FAA, para determinar se as companhias cumpriram anteriormente com os regulamentos de checagem das estruturas, dos cabos, da parte eletrônica e de outros componentes de suas aeronaves.

Uma segunda fase de checagens começou em no último dia 30 de março e deve continuar até 30 de junho. Laura J. Brown, porta-voz da FAA, afirmou que possíveis atrasos não podem ser tirados fora de questão. Não sabemos ainda, disse. Nós encontramos o que encontramos.

Isso não será suficiente para assegurar os passageiros, que enfrentam dificuldades para mudar de vôos, uma vez que as aeronaves geralmente estão lotadas nas rotas comerciais.

A agência encontrou novos problemas na segunda-feira, quando nove jatos MD-80 da American não passaram nas inspeções, fazendo com que 300 aviões permanecessem estacionados no solo. Enquanto sua frota de MD-80 era inspecionada, a American cancelou mais de mil vôos na última quarta-feira e 430 na terça-feira. A companhia prevê aproximadamente 900 cancelamentos de vôos nesta quinta-feira, e o tumulto pode também continuar durante a sexta-feira.

Os aeroportos que mais sofreram com o caos foram o Dallas-Fort Worth International, o O'Hare de Chigado e o La Guardia.

A FAA e as companhias aéreas respondem, em parte, a um maior rigor do Congresso, liderado pelo deputado democrata James L. Oberstar, presidente do Comitê de Transportes e Infra-estrutura, antigo ativista em segurança na aviação.

O Congresso adotou uma postura mais rígida em relação à indústria após os ataques terroristas de 2001, quando inúmeras falhas na supervisão e atrasos foram detectados.

Oberstar disse na última quarta-feira que sua crítica era um esforço para colocá-los de volta ao curso, no padrão ouro do mundo em termos de segurança e manutenção dentro da agência, além de restabelecer uma tendência e uma cultura com a agência, ao contrário de somente proteger o setor.


-Micheline Maynard e Matthew L. Wald

Leia mais sobre: crise aérea

    Leia tudo sobre: crise aérea nos eua

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG