Fundos estaduais de benefícios a desempregados começam a evaporar

Com o desemprego atingindo os níveis mais altos em décadas, os Estados americanos estão ficando sem dinheiro para pagar os benefícios necessários e buscando empréstimos com o governo federal ou aumentando os impostos para cumprir suas obrigações.

The New York Times |

Acordo Ortográfico

Cerca de 30 Estados correm o risco dos fundos disponíveis para o pagamento dos benefícios aos desempregados se tornarem insuficientes nos próximos meses, de acordo com a Associação Nacional de Agências de Força de Trabalho Estaduais. Os fundos em dois Estados, Indiana e Michigan, já acabaram.

Os impostos que cobrem o seguro desemprego são arrecadados dos empregadores e, em bons tempos, os Estados economizam esse dinheiro para quando o desemprego estiver em alta. Esses benefícios são garantidos pelo governo federal. O Departamento do Trabalho afirmou na semana passada que as entradas iniciais no seguro desemprego subiram para 573,000, o número mais alto desde novembro de 1982.

Michigan, que pediu dinheiro emprestado do governo federal nos últimos anos para repor seu fundo, agora tem uma dívida de US$508.8 milhões que não será capaz de pagar. No próximo mês, o Estado, no qual o índice de desemprego é de 9%, passará a adotar um imposto especial para repor o fundo.

Na Carolina do Sul, as autoridades recentemente pediram uma linha de crédito de US$15 milhões.

"Agora nós temos US$40 milhões em nosso fundo e estamos pagando US$11 milhões por semana", disse Allen Larson, vice-diretor executivo do programa de seguro desemprego da Comissão de Seguro Desemprego da Carolina do Sul. "Então pensamos que será muito difícil terminarmos este ano. Nunca passamos por nada assim".

Estados que não têm o suficiente poderão pedir empréstimos ao governo federal, mas se o valor não for pago dentro do mesmo ano fiscal, juros de 4.7%  incorrerão sobre o valor, que será retirado de seu orçamento anual.

Em muitos caso, os Estados que mantiveram os índices de desemprego artificialmente baixos ou em tiveram queda neles, se veem em uma situação ainda pior. Legisladores de Indiana, por exemplo, reduziram os impostos para os negócios em 25% em 2001.

"Francamente, eles criaram a tempestade perfeita", disse John Ruckelshaus, vice-comissário do Departamento de Desenvolvimento da Força de Trabalho. "O legislativo terá que analisar o fundo de desemprego assim que der início a sessão anual".

Por JENNIFER STEINHAUER

Leia mais sobre desemprego

    Leia tudo sobre: desemprego

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG