Filhos ajudam Romney na campanha à presidência dos EUA

Charmosos e divertidos, quatro dos cinco filhos do republicano tentam cativar eleitores e mostrar lado sensível do pai

The New York Times |

Quatro dos cinco filhos de Mitt Romney - Tagg, 41, Matt, 40, Josh, 36, e Craig, 30 - estavam sentados em um quarto de hotel em Des Moines no dia 2 de janeiro, véspera do cáucus do Partido Republicano em Iowa . O tema da conversa era qual deles tinha mais chance de carregar o manto político da família Romney.

O veredicto foi que seria o filho mais velho, Tagg, ou talvez Josh. Mas aí as coisas ficaram complicadas.

"Alguém precisa se candidatar para ser o líder dos irmãos", brincou Matt.

"Sugiro uma rodada de queda de braço", disse Craig.

Saiba mais: Veja o especial sobre as eleições nos EUA 2012

NYT
Os irmãos Romney, da esquerda para a direita: Craig, Tagg, Matt e Josh

Não passava de uma brincadeira, mas que revelava um pouco mais sobre sua posição dentro da campanha. Os irmãos se tornaram uma parte essencial da história de Mitt Romney e percorrem todo o país como representantes de seu pai, com cara de bons moços, preparando o terreno para que o candidato possa falar ao público.

Estes são os irmãos Romney: charmosos, divertidos e implacáveis na hora de transmitir sua mensagem. "Acho que uma das coisas que oferecemos é uma perspectiva sobre o seu caráter," disse Matt sobre o pai.

Há quatro anos os filhos de Romney foram uma presença importante em sua campanha eleitoral. Eles dirigiram pelo Estado do Iowa em um ônibus apelidado de “Mitt Móvel” e narraram suas aventuras em um blog chamado Five Brothers (Cinco Irmãos, em tradução livre).

Tagg largou seu emprego para ficar na estrada durante toda a campanha e Josh conseguiu passar por cada um dos 99 condados de Iowa.

Há quatro anos, numa época na qual famílias com problemas pareciam ser uma regra, os irmãos Romney eram saudáveis e perfeitos demais para ser verdade.

"Gostaria que isso fosse verdade", disse Tagg. Durante a adolescência, no que pode ser considerado um ato de rebeldia na família Romney, certa vez Tagg pegou emprestado o carro do pai sem permissão, após um baile da igreja, para tomar um sorvete com alguns amigos. Logo que saiu, bateu em outro carro no estacionamento, algo que lhe custou caro: ele teve que trabalhar durante todo o verão para pagar pelo conserto.

Mas será que algo mudou nesses quatro anos?

"Engordamos muito desde 2008", brincou Craig.

E, de repente, em um momento de seriedade, Josh falou sobre quando sua mãe, Ann, foi diagnosticada com esclerose múltipla em 1999.

"Temos nossas lutas como todo mundo", disse ele. "Já passamos por algumas dificuldades familiares."

Os irmãos estão quatro anos mais velhos agora - todos estão casados e com filhos - e Romney pediu para que se concentrassem em suas próprias vidas ao invés de participar de sua campanha. "Então simplesmente resolvemos não seguir o seu conselho", disse Matt.

Quando Romney anunciou sua candidatura, em junho do ano passado em Stratham, New Hamsphire, apenas Tagg estava presente. Na semana passada, quando Romney venceu o cáucus de Iowa, quatro dos cinco filhos estavam atrás dele no palco, uma imagem impressionante de uma família exemplar que foi adotada por sites e jornais de todo o país.

É claro que a capacidade de mostrar bons genes não se limita à família Romney. Mais uma diferença em relação à campanha de 2008 é que os irmãos agora têm rivais: as meninas Huntsman e seu jeito brincalhão de escrever no Twitter, que foi destaque no The New York Times e nas revistas The New Yorker e GQ.

As três filhas mais velhas de Jon M. Huntsman Jr. (Liddy, Mary Anne e Abby) têm utilizado suas contas no Twitter, que são fascinantes e alegres, como uma plataforma para divulgar vídeos virais e até mesmo para tentar atrair os filhos de Romney para participar de algumas brincadeiras. Eles se abstiveram.

Quando considerou uma segunda candidatura presidencial, Romney pediu a opinião de seus filhos. Todos viram as desvantagens - a maneira como isso iria colocar a eles e suas famílias no centro das atenções, o tempo limitado que teriam com seu pai - mas todos o apoiaram uma vez que a decisão foi tomada.

Leia também: Romney vence prévia republicana em Iowa por apenas 8 votos

Isso não quer dizer foi tudo um mar de rosas. Ao subir ao palanque com seu pai em New Hampshire, Matt repetiu uma piada que tinha ouvido sobre a certidão de nascimento do presidente Barack Obama e imediatamente teve que publicar um pedido de desculpas via Twitter.

Ao apoiar seu pai, os irmãos veem uma maneira de combater a ideia de que Romney é um cara durão e insensível.

"Todo mundo no país lhe dá conselhos", Matt disse a respeito de seu pai. "Gostaríamos de lhe dar conselhos também, mas acabamos tendo que morder a língua." Em vez disso, Matt afirmou que o papel dele e de seus irmãos "é mostrar a ele vídeos engraçados no YouTube antes dos debates." Romney gosta de clipes do comediante Chris Farley, assim como montagens de um programa de namoro dos anos 1980.

De acordo com a opinião dos irmãos a respeito de suas próprias qualidades, Tagg é o "esperto", Matt é o "descolado", Josh é o "sonhador" e Craig é o “engraçado”.

"Não sei como cheguei a ter a fama de ser o engraçado", disse Craig.

"Sim, você é um cara engraçado", disse Josh acenando de longe, o que levou Eric Fehrnstrom, assessor de Mitt Romney, que estava monitorando a entrevista, a cair na risada.

Ben Romney, 33, era o filho ausente viagem. Médico residente em radiologia, Ben é também considerado o menos Romney dos Romneys. É o único irmão que tem cabelos loiros e é descrito como calmo e focado.

Embora os irmãos frequentemente demonstrem uma certa relutância em falar com a imprensa, sua postura ainda parece ser um pouco forçada em relação a isso. "Não sei como vim parar nesta coletiva", disse Josh enquanto sete repórteres o cercavam na semana passada após um comício de seu pai em Des Moines. Ele então passou os próximos 10 minutos respondendo perguntas com as mãos cruzadas atrás das costas.

Quando um repórter italiano perguntou se ele poderia explicar "quem é seu pai e por que ele deveria ser presidente", Josh educadamente perguntou: "em inglês ou italiano?". Depois, mencionou a experiência de Romney no setor privado e como isso faz com que ele seja o mais qualificado para melhorar a economia do país.

Eles desenvolveram um conjunto de hábitos e rituais para poder tolerar a vida durante a campanha. Os irmãos vão à academia juntos e às vezes nadam na piscina do hotel. Nas noites das primárias ou após debates, costumam tomar um milk shake de chocolate com seu pai enquanto aguardam os resultados.

Quando Tagg - um mórmon que, como seus pais e irmãos, não bebe álcool - foi questionado na tarde das convenções partidárias do Iowa sobre as tradições de sua família no dia de eleições, ele brincou: "Vamos todos ficar totalmente bêbados", antes de acrescentar: "Uh, provavelmente não deveria ter dito isso."

Os filhos de Romney gostam muito de fazer brincadeiras. Quando viajavam por Iowa no ônibus da campanha, Josh rtentou trancar Tagg com fita adesiva dentro do banheiro. "Pulei para cima dele rapidamente", disse Tagg, que conseguiu dar cotoveladas para fora do banheiro antes de a porta ser totalmente selada por seu irmão.

"Todo mundo tem medo de dormir no ônibus agora, porque todos sabem que Josh está apenas esperando alguém cochilar", disse Craig.

Os irmãos negam que sejam atraentes, mas as evidências sugerem o contrário. Depois que um grupo de meninas os chamaram de "superstars", Josh sorriu. "Se eu tivesse 17 anos, isso seria ótimo", disse ele.

Embora os filhos digam que estão apenas focados em ajudar seu pai a vencer a presidência, a política pode fazer parte de seu futuro. Em 2008, Josh considerou uma candidatura ao Congresso em seu Estado natal, Utah, e Romney o apresentou ao seu comitê de campanha em dezembro, dizendo: "Ele realmente deveria ser o político da família, não eu."

Amigos e assessores, assim como o próprio Romney, dizem que Tagg, que agora administra um fundo de investimentos, também tem interesse e talento para exercer um cargo público.

Quando perguntados, Tagg e Josh deram pouca importância às perspectivas políticas – o que na verdade soou como a resposta de políticos de verdade.

Por Ashley Parker

    Leia tudo sobre: eleição nos euaromneyrepublicanoseuacaucus iowa

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG