Fechamento de Guantánamo deixa de ser prioridade do governo Obama

Aumenta no Congresso a resistência ao fechamento da prisão, e senadores veem poucos esforços do governo Obama para superá-la

The New York Times |

Bloqueado por políticos da oposição e concentrado em outras prioridades, o governo Obama marginalizou seus esforços para fechar o centro de detenção localizado na Baía de Guantánamo, o que torna improvável que o presidente Barack Obama cumpra sua promessa de fechar a prisão antes do término de seu mandato, em 2013.

Quando a Casa Branca admitiu no ano passado que perderia o prazo inicial de janeiro de 2010 dado por Obama para o fechamento da prisão, também declarou que os prisioneiros acabariam sendo transferidos para uma penitenciária em Illinois. Mas os obstáculos para esse plano se acumularam no Congresso, e o governo está fazendo pouco para superá-los.

A Casa Branca insiste que ainda está determinada em fechar a prisão. O governo afirma que Guantánamo é um símbolo do antigo abuso de prisioneiros do mundo muçulmano, citando a opinião de militares de que seu funcionamento contínuo ajuda a impulsionar os terroristas.

Ainda assim, algumas autoridades de alto escalão dizem reservadamente que o governo tem feito sua parte, incluindo a identificação da prisão em Illinois - um centro de segurança máxima vazio localizado em Thomson, a 150 quilômetros a oeste de Chicago -, onde os presos poderiam ser detidos. Eles culpam o Congresso por não executar sua parte do plano. "O presidente não pode apenas acenar uma varinha mágica e dizer que Guantánamo será fechada", disse sob condição de anonimato um oficial graduado do governo.

A política de fechamento da prisão claramente piorou após a tentativa de atentado em um avião no dia 25 de dezembro e na Times Square em maio, bem como diante das críticas republicanas de que transferir os detidos para uma prisão nos Estados Unidos poria em perigo os americanos.

Quando Obama tomou posse, uma ligeira maioria apoiava o fechamento. De acordo com uma pesquisa realizada em março de 2010, 60% querem que ela permaneça aberta.

Várias autoridades do governo expressaram a esperança de que os ventos políticos mudem caso, por exemplo, líderes de alto escalão da Al-Qaeda sejam mortos ou se os legisladores se concentrarem no quão cara é a operação de uma prisão isolada.

Um estudo recente do Pentágono, obtido pelo The New York Times, mostra que os contribuintes gastaram mais de US$ 2 bilhões entre 2002 e 2009 com a prisão.

Autoridades do governo acreditam que os contribuintes poupariam cerca de US$ 180 milhões por ano em custos de operação se os prisioneiros de Guantánamo fossem transferidos para Thomson, que esperam que o Congresso permita que o Departamento de Justiça compre do Estado de Illinois, pelo menos para presos federais.

Em qualquer caso, disse um oficial graduado, mesmo se o governo concluir que nunca fechará a prisão, não poderá reconhecê-lo, pois ressuscitaria Guantánamo como a imagem dos EUA no mundo muçulmano. "Guantánamo é um símbolo negativo, mas isso é muito atenuado porque todos acreditam que estamos tentando fechar a prisão", disse. "Fechar Guantánamo é bom, mas lutar para fechar Guantánamo é OK. Admitir que não conseguimos seria pior."

* Por Charlie Savage

    Leia tudo sobre: GuantánamoEUABarack Obama

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG