Fãs debocham das desventuras de astro do futebol

RIO DE JANEIRO, Brasil ¿ Em uma cidade conhecida por sua tolerância sexual, homens que brilham nos campos de futebol são submetidos a uma lógica diferente, mais machista.

The New York Times |

Fãs de todo o país se envergonharam na última semana quando o jogador de futebol brasileiro Ronaldo Luis Nazario de Lima ¿ conhecido simplesmente como Ronaldo no mundo do futebol- foi interrogado pela polícia após ter chamado três travestis para um programa em um quarto de motel.

Ronaldo, atacante do clube italiano Milan, disse à polícia que após descobrir que as prostitutas eram na verdade homens, tentou mandá-los oferecendo o pagamento pelo programa. Mas um dos homens argumentou que ele não pagara a quantia combinada. Assim, rapidamente a polícia se envolveu no caso, o momento particular do jogador veio a público, revelando a seriedade com que alguns brasileiros têm uma cultura machista em relação aos ídolos dos gramados.

A prostituição é legal aqui, e por este motivo Ronaldo não foi acusado de nenhum crime. Sua atitude foi no máximo, imoral, disse em um pronunciamento na televisão Carlos Augusto Nogueira, agente de investigação.

Mas parece que nem todos os fãs do futebol brasileiro querem esquecer o episódio. A noite selvagem de Ronaldo, que terminou por volta das oito horas da manhã, foi manchete de vários noticiários brasileiros.

Para ser claro, as críticas que o atleta enfrenta não são nada comparadas à loucura da mídia de outros países onde a prostituição é ilegal ¿ e valores sexuais mais rígidos. Ainda assim, o fato da desventura de Ronaldo ter sido capa de muitos jornais brasileiros por vários dias ¿ e ser alvo de piadas de cartunistas e diversos blogueiros ¿ é um esboço de como o padrão é diferente para os astros do futebol.

Para esses fãs, a essência do chamado futebol arte é profundamente masculina, e espera-se que os grandes nomes do esporte sejam exemplo de heterossexualidade.

Os fãs aqui não ficam chocados com o fato de jogadores saírem com prostitutas, disse Roberto da Matta, antropólogo brasileiro. Mas muitos irão questionar a masculinidade do jogador.

Fernando Santos é um deles. Eu acredito que entre quatro paredes aconteceu muita coisa entre Ronaldo e os três travestis, disse Santos, de 45 anos, que tomava uma cerveja na última quinta-feira depois de jogar uma pelada. Se ele jogar na seleção novamente, haverá insultos da torcida.

Ewerton Correa, que sentava em um local próximo, ofereceu uma previsão. Eles dizem que Ronaldo está trazendo três novos jogadores para a equipe e pagando seus salários, assinalou Correa, de 36 anos, provocando risadas entre homens que estavam no campo.

Entretanto, para Ronaldo, com 31 anos, provar sua masculinidade nunca foi um grande problema. Desde que entrou para o futebol, com apenas 17 anos, o atleta sempre foi conhecido por ter namorado uma lista de mulheres bonitas, que vão de modelos a celebridades.

O jogador teve duas ex-namoradas que posaram para a revista Playboy em 1998 com o apelido de As Ronaldinhas. Um ano depois, Ronaldo se casou, teve um filho, e logo se divorciou. Mais tarde também teve um casamento relâmpago com uma modelo brasileira Daniela Cicarelli, além de um namoro com a também modelo Raica Oliveira.

Agora, sua imagem de mulherendo lendário foi encoberta por sua aparente confusão, mesmo que momentânea, em diferenciar se os travestis eram ou não mulheres.

O meio futebolístico aqui realmente se mantém distante da homossexualidade, embora esta seja aceita pela sociedade, disse Socrates Brasileiro Sampaio de Souza Vieira de Oliveira, ex-jogador de futebol brasileiro que também é médico e colunista esportivo.

- Alexei Barrionuevo e Joshua Schneyer

    Leia tudo sobre: the new york times

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG