Publicidade
Publicidade - Super banner
Mundo
enhanced by Google
 

Famoso retiro usado por Mao em montanha chinesa é restaurado

Estrangeiros voltam a retiro onde Chiang Kai-shek passou lua de mel, e Mao Tsé-Tung retirou um cochilo ao meio-dia

The New York Times |

Os primeiros a construir e ocupar casas de pedra em estilo europeu no topo da montanha chinesa de Moganshan, cheia de bambus, foram os missionários estrangeiros. Então veio Big-Ear Du e outros mafiosos de Xangai à procura de um refúgio (ou esconderijo). Foi apenas mais tarde que vieram os nomes maiores: Chiang Kai-shek e Mao Tsé-Tung. 

The New York Times
Mark Kitto, ex-editor de revista de Xangai, foi o primeiro estrangeiro a mudar-se para Moganshan em 50 anos
"Acho que Moganshan é uma miniatura da primeira metade da história da China no século 20", disse Wu Chengtao, uma autoridade florestal que vive na base da montanha, no sudeste da China. "É como uma grande janela através da qual você pode observar a história.”

Agora o relógio está voltando atrás para Moganshan. Os estrangeiros estão voltando ao retiro, que fica 701 metros acima da planície da China Oriental, onde podem escapar do calor de verão que atinge Xangai e Hangzhou.

Eles passam noites em antigas mansões e se divertem durante o dia nas encostas verdejantes que outrora foram o cenário de torneios de tênis, natação, festas em piscinas e rodadas de gim e tônica ao pôr do sol.

Aquela vida de lazer acabou em 1949, quando os comunistas chineses ganharam a guerra civil. Mais de 100 mansões sobreviveram, cerca de um quinto das quais pertence a uma unidade do Exército Popular de Libertação com sede em Hangzhou, capital da Província de Zhejiang.

O galês Mark Kitto foi o primeiro estrangeiro em meio século a viver em uma casa no local. Em 2003, ele negociou um contrato de dez anos com os militares, e três anos depois se mudou com sua esposa e filhos.

Kitto, um ex-editor de revistas antigas de Xangai, reformou a casa com sua esposa, Joanna, natural de Cantão, e escreveu sobre a sua mudança no livro "China Cuckoo" ("Procurando a China", em tradução livre).

Entre os chineses, que construíram moradias no local esteve Du Yuesheng, conhecido como Big Ear-Du, e seu braço direito, Zhang Xiaolin. Eles eram os chefões da infame Green Gang, que vendia ópio entre outras atividades.

Chiang Kai-shek foi três vezes à montanha: para passar alguns dias aqui, em sua lua de mel com Soong Mei-ling e para se encontrar secretamente com Zhou Enlai, o líder comunista, para discutir sua cooperação na guerra contra os japoneses e tentar elaborar um novo padrão de ação.

Em 1954, Mao visitou a região e tirou "um cochilo ao meio-dia", disse Wu. Uma mulher idosa disse a Kitto que os oficiais trancaram todos os moradores da região na casa nº 62 durante todo o dia, até que Mao partiu. "Ninguém viu Mao", disse ela, "e Mao não viu ninguém”.

* Por Edward Wong

Leia tudo sobre: chinaChiang Kai-shekMao Mao Tsé-Tung

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG