Ex-premiê iraquiano ganha força com os resultados parciais das eleições

TIKRIT, Iraque ¿ Ayad Allawi, o primeiro premiê escolhido depois que os americanos devolveram o poder aos iraquianos em junho de 2004, está de volta nas eleições provinciais e se coloca como um potencial rival ao primeiro-ministro Nouri Kamal al-Maliki, indicam resultados parciais não oficiais

The New York Times |

Na província de Salahuddin, de maioria sunita, a Lista Nacional de Allawi parece ter recebido votos plurais, e contagens informais sugerem que seu partido está entre os três mais votados em pelo menos mais duas duas províncias.

Contagens oficiais não estarão disponíveis até o fim da semana; os resultados preliminares são coletados com autoridades locais, grupos minoritários e partidos políticos.

Os prováveis ganhos de Allawi são os mais novos indicadores de uma tendência que aponta para os líderes laicos que defendem um Estado iraquiano centralizado, e do papel das eleições provinciais de realinhamento do poder no Iraque.


Allawi está de volta ao cenário político iraquiano / NYT

Na província extremante sunita de Anbar, por exemplo, duas coalizões sunitas que competem para tirar a força o controle do governo do Partido Islâmico Iraquiano, outro bloco sunita que está no poder desde 2005, declararam que não vão aceitar nenhum resultado que devolva o poder ao partido. O governo local estendeu o toque de recolher pelo segundo dia. Uma autoridade da segurança, falando em condição de anonimato porque não estava autorizada a falar com a imprensa, disse que o toque de recolher provavelmente continuará até que os resultados finais das eleições sejam divulgados, o que pode demorar dias.

Em contraste, na provincial de Salahuddin, norte de Bagdá, quase não há dúvidas de que o resultado será aceito. Allawi parece ter ganhado porque tem sido um forte crítico das políticas americanas pós-invasão que atingiram ex-membros do partido de Saddam Hussein, o Partido Baath, e outros que trabalharam no governo de Saddam. O próprio Allawi é um xiita não ligado a nenhuma ordem religiosa e ex-membro do Baath que se tornou líder da oposição no exílio durante o governo de Saddam.

Desde 2004, o dr. Allawi pediu a revogação das ordens de Bremer de dispensar o exército iraquiano e os serviços de segurança, disse Hamad Hamood al-Qaysi, governador da Salahuddin, se referindo a L. Paul Bremer, administrador da Autoridade da Coalizão Temporária, que governou o Iraque depois da invasão americana. Bremer dispensou o exército iraquiano e emitiu uma ordem proibindo os membros do Baath de participarem dos serviços do governo, mudanças que segundo muitos analistas políticos ajudaram no fortalecimento da insurgência.

Al-Qaysi, um dos candidatos na Lista Nacional Iraquiana na província, recebeu diversos simpatizantes na medida em que as notícias surgiam. Homens de negócio e xeques tribais entravam em seu escritório para beijá-lo na bochecha à moda árabe e cumprimentá-lo ¿ mesmo que alguns dissessem que não tinham votado nele.

O grande problema da província é o desemprego, causado em grande parte devido às políticas americanas e à dispensa do exército. Mais de 10 mil família solicitaram ajuda financeira porque o provedor da casa perdeu o emprego no governo ou no exército, disse Khasseen al-Jabara, líder do conselho tribal da província.

O passado de todos os vizinhos é militar; temos esse problema porque o nosso ex-presidente era daqui, então a maioria dos oficiais nos serviços de segurança, do Mukhabarat e do exército, era daqui, disse al-Jabara, se referindo ao serviço de inteligência. Ele disse que concorda com as posições do partido de Allawi, mas não quis dizer se votou nele ou não.

Por ALISSA J. RUBIN e STEVEN LEE MYERS

Leia mais sobre eleições no Iraque

    Leia tudo sobre: iraque

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG