Exército chinês afrouxa regras e permite tatuagens faciais

Recrutas com tatuagens no rosto ou pescoço agora poderão servir as forças armadas caso o desenho não seja maior do que 2 cm

The New York Times |

Em busca de ampliar o seu apelo entre os jovens mais educados e, possivelmente, mais descolados da China, o Exército da Libertação do Povo derrubou uma antiga proibição para o alistamento nos serviço militares: agora, os recrutas podem ostentar tatuagens no rosto e pescoço. Além disso, eles podem ser ser mais magros ou gordos do que antes era exigido.

Leia também: Britânica tatua no peito aviso para que não a ressuscitem

O Ministério da Defesa anunciou as mudanças na quarta-feira, cinco dias após o órgão legislador da China, o Congresso Nacional do Povo, aprovar uma flexibilização das regras para o serviço militar.

Recrutas com tatuagens faciais ou no pescoço agora poderão servir as forças armadas caso o desenho não seja maior do que dois centímetros de largura.

As novas regras sobre o peso permitem que um novo recruta pese 25% a mais ou 15 % a menos do que o padrão do exército.

O ministério também iniciou um esforço para atrair mais estudantes da universidade para as forças armadas, oferecendo-lhes um desconto de 6 mil renminbi – aproximadamente US$ 944 – na anuidade caso façam uma pausa em seus estudos para se alistar.

Embora o serviço militar seja tecnicamente obrigatório, o alistamento não é necessário porque há mais voluntários do que suficiente para preencher os pelotões da força de 2,3 milhões de soldados.

As novas regras buscam atrair recrutas mais bem educados para uma força militar que depende cada vez mais de armamentos tecnicamente sofisticados.

Tatuagens, em particular, eram desprezadas, mas se tornaram moda entre a juventude urbana que o Exército da Libertação do Povo espera atrair.

Por Michael Wines

    Leia tudo sobre: chinatatuagemexércitojovemrecruta

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG