EUA e China tentam chegar a acordo sobre estratégia militar

Trocas de promessas sobre melhorar relacionamento entre forças militares escondem perspectiva de que um pode ser inimigo do outro

The New York Times |

Durante três dias na China na semana passada, o principal oficial militar americano, o almirante Mike Mullen, trocou promessas sobre melhorar o relacionamento entre as suas forças militares com o seu equivalente chinês. Ele viu jatos de combate chineses Su-27 decolarem de uma base aérea, viu um exercício de contraterrorismo chinês em um bunker sufocante debaixo de posto do Exército e se espremeu em um submarino chinês em uma base naval.

Quando Mullen, chefe de Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas dos EUA, partiu na manhã da quinta-feira passada, ninguém poderia suspeitar que ambos os lados baseiam suas estratégias militares na perspectiva de que o outro pode ser o inimigo.

AP
Mullen (D) passa por guarda de honra ao lado do general Chen Bingde, durante visita a Pequim (11/7)
No entanto, eles fazem isso e essa realidade escureceu como uma nuvem negra a visita, a primeira reunião desse tipo em quatro anos em Pequim. Isso faz de uma aproximação entre os principais poderes militares do mundo uma tarefa extremamente difícil - até mesmo quando os presidentes de ambos os países dizem querer atingir exatamente isso.

Conforme os militares americanos contemplam o futuro e em particular uma Ásia recém-poderosa, a sua relação ainda mais crucial com a China está sendo puxada em direções opostas. A modernização alucinante que a China tem implementado em sua máquina militar antiquada é a principal razão.

O Exército chinês confirmou recentemente o lançamento iminente de seu primeiro porta-aviões, com mais por vir. Ele realizou o voo inaugural de seu primeiro jato invisível e levantou a apresentou outro avião de combate. Seus estaleiros estão construindo uma nova classe ainda secreta de submarinos avançados. E o país reconheceu o desenvolvimento de um míssil marítimo que alguns especialistas afirmam que poderiam atacar navios a mais de 1,7 mil kms de distância.

Exceto pelos submarinos, cada um desses desenvolvimentos aconteceu neste ano. E eles acontecerem em um ano em que os militares chineses colocaram sete satélites de reconhecimento em órbita.

Por um lado, dizem os analistas, as ambições militares da China são compreensíveis. O comércio global do país e sua dependência de combustíveis e matérias-primas estrangeiras justificam a construção de uma força militar sofisticada para proteger seus interesses, assim como os EUA têm feito. Conforme a China se expande em áreas agora dominadas pelos militares americanos, uma ampla cooperação é crucial para evitar rivalidades perigosas e erros de cálculo potencialmente desastrosos. Até mesmo algum bem poderia vir dessa aliança improvável.

Reforma militar

Mas, por outro lado, muitos analistas americanos veem a reforma militar da China como o núcleo de um esforço para conter o poder militar dos Estados Unidos no oeste do Pacífico. De acordo com essa visão, o míssil anti-navio, o porta-aviões e muitos outros equipamentos sofisticados que a China está desenvolvendo destinam-se a ser uma força contrária à Frota 7 da Marinha dos Estados Unidos, que tem dominado as águas do Pacífico há mais de meio século.

"Nós não precisamos de um outro inimigo como a União Soviética", disse Bonnie S. Glaser, pesquisadora sênior das políticas de segurança chinesas no Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais em Washington. "Estamos respondendo às medidas que a China está tomando, e à relutância da China em sentar e nos dizer o que está fazendo e que missões essas novas plataformas e armas destinam-se a cumprir”.

Do ponto de vista dos EUA, os chineses têm sido ambíguos sobre suas motivações. Em janeiro, logo depois de uma reunião de cúpula com o presidente americano, Barack Obama, em Washington, o presidente chinês, Hu Jintao, deixou claro que o Exército da Libertação do Povo precisa construir confiança com o Pentágono.

Contudo, o Exército chinês - para não mencionar grandes facções da burocracia da China, sua liderança e o todo-poderoso Partido Comunista - consideram os Estados Unidos como um país determinado a frustrar a legítima ascensão da China como uma potência global.

Eles notam que os EUA deslocaram a maior parte de seus porta-aviões do Atlântico para Pacífico, que recentemente fortaleceram acordos militares com Cingapura e Austrália, que está cortejando a rival da China, a Índia, e que tem procurado intervir diplomaticamente no Mar da China Meridional, onde a China e a maioria de seus vizinhos sofreram amargas disputas territoriais.

Eles também notam que os Eua rejeitaram as exigências de interrupção do reconhecimento aéreo da fronteira leste da China no Pacífico. Tampouco o país irá revisar um mandato de longa data do Congresso para vender armas a Taiwan, que a China clama como sua província. A China chegou perto de definir a resolução de ambas as questões como pré-condição para que haja confiança genuína entre as duas forças armadas.

E assim os chineses estão construindo o que chamam de uma força totalmente defensiva, embora uma que inclua armas que existem principalmente para atacar alvos militares dos EUA.

"Eu posso entender as pessoas no Pentágono e no PLA se preparando para o pior cenário - todos os militares fazem isso", disse Dennis J. Blasko, analista independente que trabalhou como especialista sobre China na inteligência militar, referindo-se ao Exército Popular de Libertação. "Essa é a função dos militares: fazer esses planos”.

Ameaça

Mullen, em sua visita à China, disse repetidas vezes que as ações dos EUA no Pacífico não passaram de parte das suas décadas de envolvimento na região e que não representam uma ameaça para a China. Em um discurso na Universidade da Defesa Nacional, em Washington, o general Chen Bingde, comandante das forças chinesas, disse que a atualização militar do seu país não chegaria aos pés do poderio tecnológico americano e que a China nunca "tem a intenção de desafiar os EUA”.

Mas, em ambos os lados do Pacífico, as suspeitas inevitavelmente aumentam cada vez que um lado revela uma nova arma ou nova aliança de idade.

AP
Aviões Su-27 fazem manobras militares em apresentação durante visita de Mike Mullen à China (12/7)
Alguns analistas americanos dizem que a ação e reação em que os dois países se baseiam poderia condenar qualquer chance de um verdadeiro acordo militar e diplomático. Outros dizem que os EUA seriam forçados a outra corrida armamentista, só que desta vez, ao contrário da Guerra Fria, seria a China que teria bilhões para gastar em novas armas, e os EUA poderiam ser forçados a escolher entre armas e alimentos.

Charles W. Freeman Jr., ex-diplomata a quem Obama nomeou sem sucesso para liderar o Conselho Nacional de Inteligência, argumentou exatamente isso em um discurso recente no Instituto de Estudos Marítimos da China, que tem sede em Rhode Island.

"Os EUA agora estão fiscalmente ocos", disse Freeman, observando que o orçamento militar americano é, essencialmente, todo financiado com dinheiro emprestado. "Ainda estamos entrando em uma rivalidade militar de longo prazo com a China em termos que são facilmente suportáveis pela China, mas fiscalmente ruinosos para nós. Essa rivalidade é ainda mais desvantajosa, porque a China está competindo de maneira notável quando se trata de custo-eficiência e nós não”.

Alguns analistas questionam sua avaliação. Mas a maioria concorda que custa muito menos construir um míssil capaz de afundar um porta-aviões dos EUA do que ele construir o porta-aviões e um sofisticado sistema de defesa anti-míssil.

A China pode ser capaz de arcar com os mísseis e os EUA podem ser capazes de construir navio e sistema de defesa. Mas não se sabe se eles são realmente necessários. Em relação a isso, um analista americano reforçou: "Estamos nos preparando para uma luta que eu não tenho certeza se qualquer um de nós precisa ou quer ter”.

*Por Michael Wines

    Leia tudo sobre: chinaeuamilitarexército

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG