Estudo revela que não estamos sozinhos no banho

Há coisas nas quais é melhor nem se pensar a respeito. Como as 10 mil bactérias que você inala a cada respiração em um edifício comercial comum. Ou as 10 milhões de bactérias em cada copo de água.

The New York Times |

Microbiologistas acrescentaram mais uma dado à lista de coisas nojentas demais para se contemplar: o dilúvio de bactérias que descem pela sua face e entram profundamente em seus pulmões no banho matutino.

Os banheiros de Nova York têm uma dose particularmente alta de um micróbio relacionada à tuberculose chamado Mycobacterium avium. A bactéria pode causar uma variedade de exóticas dores toráxicas, inclusive aquelas conhecidas como pulmão de salva-vidas, pulmão de banheira quente e a síndrome da Sra. Windermere.

Esta olhada indesejada ao que há por trás da cortina do banheiro foi oferecida por um grupo de microbiologistas liderados por Norman R. Pace da Universidade de Colorado.

Como parte de um projeto para medir a quantidade de micróbios existentes no ambiente fechado humano, eles analisaram a água dos chuveiros, em parte porque nos chuveiros as bactérias estão incorporadas em micro gotículas que podem ser aspiradas e levadas aos pulmões.

Testes convencionais dependem da cultura de bactérias identificadas, mas porque a maioria das espécies não pode ser cultivada em laboratório, uma grande parte das espécies bacterianas são perdidas.

O método de Pace examina o material genético diretamente, sem necessidade do cultivo de bactérias.

Ele descobriu mais de 15 tipos de bactérias nos chuveiros de todo o país, do Tennessee a Illinois, Denver a Nova York, e reporta isso no The Proceedings o jornal da Academia Nacional de Ciências.

Além do indesejado pensamento de que somos borrifados na face por um coquetel bacteriano todas as manhãs, as bactérias de chuveiro não representam grandes riscos, com a possível exceção da M. avium. Pace disse que este micróbio pode comprometer o sistema imunitório.

As bactérias chegam ao chuveiro na água e se multiplicam dentro do aparelho, portanto a dose é maior quando o chuveiro é ligado. Deixar a água correr por 30 segundos antes de entrar no banho significa menos bactérias sobre a sua pele, observa Pace. Além disso, as bactérias parecem gostar menos dos chuveiros de metal do que daqueles feitos de plástico.

    Leia tudo sobre: estudoeuanew york times

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG