Esforço da China para modernização militar começa a dar frutos

Pentágono e vizinhos asiáticos observam com atenção impulso de Pequim para melhorar aparato militar

The New York Times |

O secretário de Defesa, Robert Gates, em uma missão para ressuscitar as relações militares entre Estados Unidos e China, deve chegar a Pequim para negociações com os principais líderes militares do país neste domingo. Mas em um aeródromo em Chengdu, metrópole no centro da China, líderes militares chineses já deram suas boas vindas a ele.

Ali foi lançado o J-20, um caça invisível aos radares e que tem as mesmas formas angulares do avião de mesmas características do Pentágono, o F-22 Raptor. Após anos de desenvolvimento sigiloso, o caça – o primeiro avião invisível da China – foi testado inicialmente de maneira preliminar, mas também bastante pública, esta semana na pista do Instituto de Design de Aviação em Chengdu, um local tão aberto que os entusiastas de aeronaves geralmente se reúnem ali para fotografar seus favoritos.

Alguns analistas dizem que o momento não é coincidência. "Esta é a sua nova política de dissuasão", disse Andrei Chang, de Hong Kong, editor-chefe do jornal canadense Kanwa Defense Weekly, que relatou os testes do caça. "Eles querem mostrar seu poder aos Estados Unidos e ao Sr. Gates".

AP
Caça invisível aos radares, J-20 tem as mesmas formas angulares do avião F-22 Raptor, do Pentágono
Atualmente, a China tem mais poder a mostrar. Uma década de agressiva modernização militar do outrora fraco programa chinês está começando a dar frutos e tanto o Pentágono quanto seus vizinhos asiáticos estão cada vez mais atentos.

De acordo com a maioria dos relatos, a China continua uma geração ou mais atrás dos Estados Unidos em tecnologia militar e ainda mais atrás na implantação de versões testadas de suas mais sofisticadas capacidades navais e aéreas em batalha. Mas após anos de negações de que tenha qualquer intenção de se tornar uma potência militar ao nível dos Estados Unidos, o país agora revela capacidades que sugerem que pretende, mais cedo ou mais tarde, ser capaz de desafiar as forças americanas no Pacífico.

Além do J-20, um avião que pode ser reabastecido no ar e carrega mísseis com capacidade projetada para voar muito além das fronteiras da China, os chineses também estão remodelando um porta-aviões russo da era soviética – o primeiro navio da China com potência de projeção – para uso no próximo ano. Dois outros transportadores de 50 mil toneladas estão sendo construídos em um estaleiro de Xangai. O primeiro deve ser lançado em 2014, vários outros poderiam vir em 2020, dizem especialistas do Pentágono.

As ogivas nucleares, estimadas por especialistas em não mais de 160, foram reposicionadas desde 2008 em lançadores móveis e submarinos avançados que já não são alvos fáceis para ataques. Acredita-se que mísseis de ogivas múltiplas virão em seguida. A frota chinesa de 60 submarinos já é a maior da Ásia e está sendo reformada com o super-silencioso navio de propulsão nuclear e uma segunda geração de submarinos equipados com mísseis balísticos.

E um esperado míssil balístico antinavios, chamado de "matador de transportadores" por seu potencial para atacar os grandes navios transportadores no coração da presença naval americana no Pacífico, parece estar quase pronto. O chefe do Comando do Pacífico dos Estados Unidos, o almirante Robert F. Willard, disse a um jornal japonês em dezembro que a arma já havia atingido "capacidade operacional inicial", um marco importante. Oficiais da marinha disseram mais tarde que os chineses têm um projeto de trabalho, mas que ele aparentemente ainda não havia sido testado em água.

Mensagem

Com essas e outras armas, a mensagem clara da China, no entanto, é que sua capacidade de impedir outros de invadir territórios que possui ou até mesmo de fazer suas próprias reivindicações está crescendo rapidamente.

A China, claro, tem sua própria lógica para a sua preparação militar. Um tema comum é que as armas possivelmente ofensivas, como porta-aviões, mísseis antinavios e caças invisíveis, são necessárias para reforçar sua hegemônia sobre Taiwan, caso os líderes locais tentem a independência jurídica do continente.

O atual status de Taiwan, governado separadamente, mas reclamado pela China como parte de seu território soberano, é mantido em parte por um compromisso dos Estados Unidos em defendê-lo de Pequim caso haja um ataque. Alguns especialistas datam elementos da estrutura militar de hoje às crises de meados da década de 90, quando os Estados Unidos enviaram aviões sem serem molestados às águas em torno de Taiwan para demonstrar o compromisso de Washington com a ilha.

As autoridades chinesas claramente temem que os Estados Unidos planejam cercar a China com alianças militares para conter as ambições de Pequim por poder e influência. Em tese, a estratégia de longo prazo do Pentágono é cimentar na Ásia Central os tipos de parcerias que tem construído no flanco leste da China, na Coreia do Sul, Japão e Taiwan.

"Alguns estudiosos chineses temem que os Estados Unidos vão completar o cerco à China desta maneira", disse Xu Qinhua, que estuda a Rússia e Ásia Central na Universidade Renmin e assessora o governo para questões regionais. "Deveríamos nos preocupar com isso. É natural".

Aproximação oficial

A opinião oficial do Pentágono há muito tempo saúda uma China com grande poder militar como parceira  dos Estados Unidos para manter as rotas marítimas abertas, combater a pirataria e executar outras tarefas internacionais hoje realizadas – e pagas – pelos militares e contribuintes americanos.

Mas líderes militares chineses raramente têm oferecido mais do que um vislumbre de sua estratégia militar a longo prazo e a criação constante de uma força com capacidade ofensiva para muito além do território chinês claramente preocupa planejadores militares dos Estados Unidos.

"Quando falamos de uma ameaça, é uma combinação de capacidades e intenções", disse Abraham M. Denmark, ex-diretor da China no escritório de Gates. “Os seus recursos estão se tornando mais e mais claramente definidos, e eles estão cada vez mais orientados para a limitação da habilidade americana de projetar poder militar no Pacífico”.

''O que não está claro para nós é a intenção disso tudo", acrescentou. "A modernização militar da China é certamente seu direito. O que questionamos é como esse poder militar será usado”.

Denmark, que agora dirige o Programa de Segurança da Ásia-Pacífico para o grupo New American Security em Washington, disse que a reação agressiva da China a recentes disputas territoriais com o Japão e seus vizinhos do Sudeste Asiático tinha dado tanto ao Pentágono quanto aos vizinhos da China motivos para preocupação.

The New York Times
Foto de 2007 mostra o presidente chinês, Hu Jintao, inspecionando tropas do Exército, em Hong Kong
Ainda assim, um alto oficial de inteligência da Marinha disse a jornalistas em Washington na quarta-feira que os Estados Unidos não devem superestimar a capacidade militar de Pequim e que a China ainda não demonstrou capacidade de utilizar seus sistemas de armas em uma guerra bem sucedida. O oficial, vice-almirante David J. Dorsett, vice-chefe de operações navais para o domínio da informação, disse que embora a China tenha desenvolvido algumas armas mais rápido do que os Estados Unidos esperava, em geral ele não ficou alarmado. ''Você já os viu usar grandes grupos de forças navais?", disse. "Não. Vimos grandes exercícios sofisticados? Não. O país tem alguma proficiência em combate? Não”.

Conhecimento

Dorsett disse que mesmo que os chineses estejam planejando testes marítimos em um porta-aviões usado e muito antigo” este ano e tenham a intenção de construir outros por si próprios, eles ainda têm um conhecimento limitado sobre o pouso e a aterrissagem nestes porta-aviões bem como de seu papel em batalha.

Pouco se sabe sobre as intenções militares da China, mesmo entre especialistas. Uma avaliação realizada pelo Pentágono em 2009 declarou que, apesar de “persistentes esforços”, a sua “compreensão de como e quanto o governo da China gasta em defesa" não melhorou de forma mensurável.

Em uma entrevista na quarta-feira, um dos maiores especialistas sobre os militares chineses, Zhu Feng, disse ver algumas revindicações do governo de um avanço rápido na criação de armas como caças invisíveis como pouco mais que exagero. ''Qual é a história real?", questionou. "Eu devo ser muito cético. Eu vejo muitas manchetes sobre a sua aquisição de armas. Mas por trás da cortina, vejo dinheiro desperdiçado. Muito exagero”.

Zhu, que dirige o programa de segurança internacional na Universidade de Pequim, sugeriu que a instituição militar da China – como a dos Estados Unidos – está inclinada a inflar as ameaças e exagerar o seu progresso em uma tentativa contínua de ganhar mais influência e dinheiro para os seus programas preferidos.

E isso pode ser verdade. Se assim for, porém, o artifício parece não ser percebido por seus rivais no Pacífico. ''Finalmente, da perspectiva americana, trata-se da questão de os Estados Unidos permanecerem tão dominantes no oeste do Pacífico como sempre foram", disse Bonnie Glaser, uma estudiosa da China no Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais em Washington. "E claramente os chineses gostariam de complicar ainda mais a situação para nós”. "Isso é algo que os chineses consideram razoável", disse ela. "Mas do ponto de vista dos Estados Unidos é, simplesmente, inaceitável".

*Por Michael Wines e Edward Wong, com contribuição de Elisabeth Bumiller, Benjamin Haas e Xiyun Yang

    Leia tudo sobre: chinamodernização militarpentágonoásia

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG