Empresas dos EUA pagam mais para transportar bem

Baixa procura por transporte marítimo tira navios de serviço, e varejistas precisam elevar custos para transportar com rapidez

The New York Times |

As grelhas de churrasco em forma de barris e caixas de ferramentas, compradas em uma promoção para o Dia dos Pais na loja Cost Plus World Market, chegaram tarde demais para o feriado.

Na Container Store, cabides prateados anunciados no catálogo de liquidação de verão foram entregues alguns dias depois que a venda foi concluída. Na True Value Hardware, os últimos da fila eram ventiladores e cadeiras portáteis.

Brigando pelo transporte de mercadorias, os varejistas estão pagando cada vez mais caro para conseguir espaço para sua carga nos poucos navios disponíveis, chegando a pagar de duas a três vezes mais do que o valor do ano passado - em alguns casos, as maiores taxas em cinco anos.

Ainda assim, muitos estão entregando a mercadoria com semanas de atraso.

The New York Times
Navio é carregado no porto de Baltimore, nos Estados Unidos

Os problemas começaram em 2009, quando as lojas reduziram estoques. Com a pouca procura por transporte marítimo, as transportadores retiraram navios de serviço: mais de 11% da frota global estava ociosa na primavera de 2009, de acordo com a AXS-Alphaliner, um consultora do setor.

As operadoras também adotaram um "baixo vapor", viajando a velocidades mais lentas e mais econômicas em combustível, enquanto as empresas que produzem os contâineres, as caixas de 6 a 12 metros de comprimento nas quais a maioria das empresas enviam mercadorias, essencialmente pararam de fazê-los.

"Todos os meus clientes estão tendo uma experiência terrível", disse Steven L. Horton, diretor da Horton Global Strategies, que negocia contratos de frete para empresas. "Além do aumento no custo, eles não sabem se irão conseguir espaço. É uma batalha semanal".

Varejistas e fornecedores como a Mattel, Polo Ralph Lauren, Jones Apparel Group, Costco, VF Corp, Big Lots e Lifetime Brands relataram ter problemas com os preços mais elevados e a escassez de capacidade.

A disputa por espaço significa que muitos varejistas esperam aumento nas vendas, o que é uma boa notícia. E as transportadoras aéreas estão pegando algumas transferências de última hora de varejistas desesperados; a FedEx informou na segunda-feira que espera um lucro maior para seu primeiro trimestre, que termina no próximo mês.

Para a maioria dos varejistas e fornecedores, os problemas de transporte são uma enorme dor de cabeça no momento em que as vendas no varejo estão fracas e a confiança dos consumidores está diminuindo.

"Isso complicou ainda mais esta época de vendas chave", disse Edward J. Yruma, analista da KeyBanc Capital Markets.

As companhias de navegação marítima começaram a aumentar o número de navios lentamente no início deste ano, mas fizeram isso de maneira hesitante, não querendo acrescentar muita oferta e correr o risco de gerar uma queda nos preços taxas.

Por Stephanie Clifford

    Leia tudo sobre: varejoeuaeconomia

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG