Empresa paga US$4 milhões ao Estado de NY por problemas em contratos

NOVA YORK - A companhia responsável pela construção da rede de rádios do Estado de Nova York concordou em pagar US$4 milhões para resolver uma disputa sobre contratos.

The New York Times |

O acordo acontece quase dois anos depois que as autoridades estaduais descobriram problemas nos contratos de sistemas de rádios de três departamentos: Polícia, Instituto Correcional e Transporte. Agentes de auditoria descobriram que empresas foram cobradas por serviços nunca prestados e equipamentos que já haviam sido pagos.

"Qualquer um que faz negócios com o Estado tem a obrigação de fornecer o serviço que prometeu", disse Thomas DiNapoli, auditor responsável pelo caso. "A empresa M/A-Com não cumpriu seu contrato então entramos em ação".

Ele disse acreditar que as acusações surgiram de um gerenciamento ruim e não de algum tipo de desonestidade.

"Acreditamos que o que aconteceu foi uma falta de coordenação centralizada na hora de negociar os termos do contrato e isso não foi percebido por três agências", disse Jennifer Freeman, porta-voz da companhia.

A audição, que reviu dados entre 2003 e 2004, foi publicada em 2006, examinando três contratos que totalizam US$150 milhões.

Victoria Dillon, porta-voz da M/A-Com, disse que a companhia não concorda que o Estado tenha sido sobretaxado.Segundo ela a disputa se refere a registros de quais pagamentos foram feitos e quais serviços foram entregues. Ela disse que a companhia acredita que o serviço foi totalmente entregue.

"É uma questão de registros e não de ações", ela disse.

Dillon disse ainda que a companhia trabalha com o Estado há décadas e decidiu aceitar o acordo por isso.

"Sempre operamos de acordo com os termos do contrato", ela disse. "Dada a nossa parceria de longo prazo, sentimos que deveríamos acerta essa conta".

O acordo é o primeiro acontece em meio aos testes da primeira fase de operações da rede de rádios. A rede, que chegará a custar US$ 2 bilhões. será a mais o contrato de tecnologia mais caro da história.

    Leia tudo sobre: the new york times

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG