Emissoras americanas podem indicar vencedor antes da apuração total dos votos

Pelo menos uma emissora e um website afirmaram na segunda-feira que poderão indicar ao público qual candidato aparentemente venceu a eleição, apesar da pouca credibilidade das pesquisas de boca de urna.

The New York Times |

O vice-presidente da CBS News, Paul Friedman, disse que a possibilidade de um dos candidatos conquistar o eleitorado mínimo pode ficar clara por volta das 20h, antes mesmo que as urnas sejam fechadas em locais como Nova York e Rhode Island, muito menos no Texas e na Califórnia. Neste momento, com base em dados mistos de pesquisas de boca de urna e amostras da apuração, a emissora pretende divulgar projeções preliminares aos telespectadores, disse Friedman.

"Nós saberemos o resultado da Virgínia às 19h", ele disse. "Indiana antes das 20h e Flórida às 20h. Poderemos saber tudo sobre a eleição com estes resultados. Não devemos esconder as informações que temos quando a história é óbvia".

Similarmente, o editor do website Slate, David Plotz, disse que "se Obama estiver muito à frente" ele poderá indicar o resultado "por volta das 20h ou 21h".

"Nossos leitores não são burros e nós não devemos entrar numa espécie de drama que finge que McCain pode conquistar a Califórnia e vencer a eleição", disse Plotz. "Nós iremos dar a indicação de vitória no momento que uma pessoa razoável (não um âncora da televisão que tem que participar desse teatro sobre a costa oeste) faria".

Todas as redes (e outras organizações de notícias com seus próprios websites) entraram no mesmo debate na segunda-feira sobre o seguinte equilíbrio: não depender demais de dados exatos de apuração (que sugeriram, pelo menos nas eleições de 2004, que o senador John Kerry poderia derrotar o presidente Bush) e ainda evitar o furo da concorrência.

Quando questionado sobre como Katie Couric, que lidera a cobertura da CBS, pode apresentar as projeções da emissora ao público, Friedman disse que ele imagina que a jornalista irá dizer, por exemplo, "De acordo com os resultados que temos até o momento ou os resultados projetados de alguns Estados, aparentemente será muito difícil que John McCain consiga os votos necessários para vencer a eleição".

O diretor da ABC News, Dan Merkle, disse: "Eu acho que por aqui nós seremos um pouco mais cautelosos na hora de anunciar os rumos desta eleição". Merkle disse temer particularmente o peso das pesquisas de boca de urna, "que funcionam às vezes, mas geralmente tendem a exagerar a representatividade dos candidatos democratas".

"Nós podemos oferecer alguns indicativos destes dados", disse Merkle.

"Mas isso é diferente de ir ao ar e anunciar um vencedor".

Com algumas pesquisas regionais sugerindo que Obama possivelmente conquistará a maioria dos colégios eleitorais, as organizações de notícias de preparam para uma disputa que pode ser muito menos acirrada do que as de 2004 ou 2000. A eleição que mais se assemelha a essa é a de 1980, quando as emissoras indicaram a vitória de Ronald Reagan sobre Jimmy Carter pouco depois do fechamento das urnas no leste. Mais tarde, os secretários dos Estados de Washington e Oregon, entre outros, argumentaram que como resultado das notícias o comparecimento na Califórnia caiu cerca de 2%.

Outros especialistas, no entanto, argumentam que qualquer impacto das emissoras no comparecimento às urnas foi sobrepujado por um discurso de concessão feito por Carter logo depois das estimativas.

Seja qual for a decisão das emissoras, parece claro que elas ignorariam o pedido do representante John D. Dingell, democrata do Michigan, para que segurem as projeções do vencedor até que a última urna seja fechada. Neste caso, as urnas do Estado do Alasca, que serão fechadas por volta da 1h do horário de Nova York.

    Leia tudo sobre: eleições nos eua

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG