Em uma cela falsa na Geórgia, hóspede na TV causa impacto real

TBILISI ¿ A nova estrela da oposição do presidente Mikheil Saakashvili está trancada em uma cela de prisão, onde ele faz críticas contra o governo, escreve slogans pelas paredes (¿Saakashvili nos traiu!¿) e provoca políticos que vão, como penitentes, pedir perdão por já ter apoiado o presidente.

The New York Times |

NYT

Giorgi Gachechiladze em sua cela falsa

Vídeos e câmeras estão filmando cada minuto dessa prisão. A cela é uma farsa, o estúdio para o programa de televisão, que parece estar chamando a atenção da capital da Geórgia, de um canal pago de notícias e para o fato de se ele realmente está apenas fazendo um reality show que passa várias horas por dia em um canal da oposição.

O programa, Cela nº5, está tornando seu participante, Giorgi Gachechiladze, em uma figura de oposição influente, embora só o vejam na tela da TV. Ele prometeu não deixar a cela até que Saakashvili renuncie.

Políticos da oposição dizem que Gachechiladze, inesperadamente, se tornou uma arma significativa em suas tentativas de tirar os créditos do governo, e a popularidade do programa mostra como a insatisfação de Saakashvili se direcionou a uma parte importante da sociedade da Geórgia, oito meses depois da guerra com a Rússia.

A profundidade dessa oposição deve ficar evidente na quinta-feira, quando os opositores, que estão fragmentados, esperam dirigir uma grande quantidade de manifestações que levarão à retirada de Saakashvili.

Isso será um tsunami impossível de parar, disse Gachechiladze nesta semana, usando o programa para pedir às pessoas para participarem. Saakashvili sujou os principais valores dos georgianos, e as pessoas nunca esquecerão que ele o fez.

Questão política

Saakashvili foi eleito presidente após liderar a então chamada Revolução Rosa em 2003, que expulsou o governo ligado aos soviéticos. Ele prometeu modernizar a Geórgia e governar com uma orientação pró-ocidental, mas ainda assim ele é uma figura que cada vez mais causa desarmonia.

Além disso, é uma questão aberta se o público que deseja a estabilidade quer que Saakashvili saia do poder. Pesquisas recentes indicam que ele retém uma base de apoio.

Gachechiladze, 43, conhecido cantor cujo irmão é um importante política da oposição, é considerado pelos aliados de Saakashvili uma pessoa convencida cujo sucesso acabará quando as pessoas se cansarem dele.

Papel da televisão

Mesmo assim, organizadores da oposição pretendem transmitir Cela nº5 em uma tela gigante em frente ao parlamento na manifestação de quinta-feira.

A televisão teve um papel provocativo na política da Geórgia. Em novembro de 2007, Saakashvili executou punições em opositores, que incluíam mandar policiais destruírem um posto diferente da oposição, Imedi.

Agora, o governo enfatiza que a decisão de permitir que Cela nº5 possa concorrer e licenciar sua emissora de oposição, Maestro, é uma prova de que a Geórgia tem muito mais liberdade do que seus vizinhos, especialmente a Rússia. Maestro é amplamente eficaz em Tbilisi, limitando o impacto do programa em outros lugares.

Gachechiladze entrou em sua cela ¿ um quarto na base da Maestro, do tamanho de um pequeno flat ¿ em 20 de janeiro, e ele saiu apenas uma vez, para apresentar um concerto ao público em Tbilisi. Ele estava em uma gaiola para a performance, o que chamou a atenção de centenas de pessoas.

Ideia inovadora

O programa Cela nº5 foi nomeado após o reconhecimento da eleição do partido político de Saakashvili, com o sentido de que o país é prisioneiro do presidente. Gachechiladze sustenta que Saakashvili é um ditador, é incompetente para governar e permite que a corrupção flua e envolveu a Geórgia em uma guerra sem sentido.

É tudo apresentado de uma forma teatralmente diferente, ao vivo e gravado.

Gachechiladze decorou a cela com poemas, ícones georgianos ortodoxos, bonecas, grafites e colagens de recortes de fotos de políticos de cargos elevados. Ele colocou um mapa para mostrar seu desgosto pela guerra, que levou a Geórgia a perder todo o controle sobre dois territórios disputados.

Há uma cama, uma mesa e um banheiro de mentira. No chão há um grande pôster que mostra todas as promessas supostamente quebradas por você sabe quem. No outro dia, após o governo acusar alguns membros da oposição de tentar obter armas, ele ridicularizou as alegações, fingindo manejar armas de brinquedo e usando um telefone imaginário para conversar com oficiais georgianos e russos.


Por CLIFFORD J. LEVY

Leia mais sobre Geórgia

    Leia tudo sobre: georgiageórgia

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG