Em Bagdá, falta de serviços básicos ameaça luta contra milícias

Bagdá ¿ Mesmo com a luta das tropas norte-americanas e do Iraque para estabelecer o controle de uma área do bairro Cidade de Sadr desta capital, o programa do governo iraquiano para restaurar serviços básicos como eletricidade, saneamento e coleta de lixo é repleto de falhas, colocando em risco a tentativa de convencer os residentes desconfiados da região.

The New York Times |

Por semanas há relatos de que o primeiro-ministro Nouri al-Maliki anunciaria um programa multimilionário para reconstruir o sul de Sadr, atualmente ocupada por tropas do Iraque e dos EUA.

Mas quase um mês após autoridades americanas e iraquianas pressionarem a área, não há sinais de qualquer reconstrução. Ao contrário, as ruas são cheias de lixo e poças de esgoto. Muitos bairros ainda não possuem eletricidade, e muitos residentes temem cruzar a linha de confronto em busca de assistência médica. Funcionários públicos de obras do Iraque, aparentemente com medo dos combates, raramente vão ao trabalho, e o governo afirma que a área não é segura o suficiente para o início dos consertos.

No ultimo sábado, três residentes da Cidade Sadr cuidadosamente se aproximaram de uma posição adotada pelo exército americano de decretar um alerta: a menos que o governo iraquiano ou seus companheiros norte-americanos façam algo para reestruturar os serviços públicos do país e removam as pilhas de lixo pelas ruas, as milícias irão ganhar ainda mais apoio.

O governo iraquiano há muito tempo tem dificuldades para melhorar os serviços a seus cidadãos, mas o atraso em Sadr está dificultando a estratégia norte-americana em conter as milícias da região e os mísseis disparados pelas ruas contra a fortificada região da Zona Verde.

Na esperança de estabilizar a porção sul de Cidade de Sadr, as forças americanas estão construindo um muro para dividir o bairro e avançando juntamente com o exército iraquiano para as áreas de Thawra e Jamilla ao sul de onde a barreira está sendo construída.

O bairro Cidade de Sadr é grande e pobre, construções encontram-se em ruínas crônicas, e enquanto trabalhadores do governo tentam reparar o sistema de água, esgoto e eletricidade, eles estão relutantes para entrar em áreas de confronto.

Em meio aos recentes confrontos, o governo iraquiano participou de uma coletiva de imprensa com o exército dos EUA no último domingo para promover um plano de ajudar a Cidade de Sadr, incluindo a verba de US$ 150 milhões que serão destinadas para infra-estrutura. Mas quando pressionados por um prazo para tal restauração, um porta-voz iraquiano do plano de segurança de Bagdá se recusou a estimar uma data inicial, afirmando que a área ainda oferece muitos riscos para ser trabalhada.

-Michael R. Gordon

    Leia tudo sobre: iraque

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG