Editorial - Vítimas mais vulneráveis do Katrina devem ganhar moradia

O Estado da Luisiana irá receber US$73 milhões em uma necessária ajuda federal para criar moradia para as famílias de baixa renda, incluindo doentes e deficientes, que ficaram sem casa depois do furacão Katrina.

The New York Times |

O dinheiro é apenas o primeiro desafio. Agora começa o delicado e difícil trabalho de se criar moradias permanentes para pessoas sem-teto, muitas das quais têm problemas psiquiátricos ou médicos que exigem cuidados constantes.

Agências de serviços aos sem-teto que trabalham em Nova Orleans estão preocupadas. Em uma cidade onde os aluguéis subiram muito e existem poucas opções de moradia, eles temem que as construtoras que precisaram selecionar algumas unidades para os cidadãos mais vulneráveis possam evitar inquilinos com histórico de doenças mentais ou sem-teto.

Líderes políticos e legisladores também precisam ter coragem e persistência diante dos pessimistas, que inevitavelmente questionam se as pessoas que foram sem-teto podem ser bons vizinhos ou cidadãos.

A resposta é que esses projetos podem funcionar, e muito, quando as pessoas recebem a ajuda e aconselhamento que precisam. Um dos modelos mais bem-sucedidos está na cidade de Nova York onde a Common Ground, uma agência sem fins lucrativos, criou mais de 2,000 unidades de moradia permanente e transitória para os sem-teto desde 1990.

O principal programa do grupo fica perto da Times Square e contém mais de 650 apartamentos, metade dos quais são ocupados por antigos moradores de rua. Trabalhando em conjunto com outras instituições, o grupo oferece atendimento psicológico, colocação profissional e outros tipos de apoio aos inquilinos.

O grupo mostrou que pessoas com problemas mentais e outros podem ser melhor gerenciadas caso estejam em uma casa permanente e tenham acesso aos serviços.

Esse sucesso é ainda mais impressionante porque a Common Ground deliberadamente procura os casos mais complicados, como pessoas que passaram anos na rua e entrando e saindo da cadeia. Uma moradia como essa custa substancialmente menos do que um abrigo para moradores de rua (e muitas vezes a cela da cadeia ou leito de hospital).

A boa notícia é que Nova Orleans pode observar projetos como o da Common Ground. Os líderes políticos precisam entender que ajudar a tirar os sem-teto das ruas e colocá-los em uma moradia permanente não é apenas bom para esse cidadão, mas essencial para a saúde da cidade.

Leia mais sobre: Katrina

    Leia tudo sobre: katrinathe new york times

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG