A equipe do presidente eleito Barack Obama reagiu de maneira previsível à descoberta de que Timothy Geithner, indicado como secretário do Tesouro, não pagou grande parte de seus impostos federais nos últimos anos. O roteiro é o mesmo, com algumas variações, quando um indicado a cargos de alto escalão se envolve neste tipo de problema.

Na terça-feira, quando a notícia foi veiculada no The Wall Street Journal, o gabinete de transição de Obama emitiu uma declaração afirmando que a falta de pagamentos não passou de "um erro honesto". Na quarta-feira, o próprio Obama disse que foi algo "inocente". Este tema foi ecoado por inúmeros senadores que irão conduzir a audiência de confirmação de Geithner, que está marcada para a próxima quarta-feira.

Por mais que Obama e sua equipe queiram, no entanto, a revelação não pode ser tão facilmente descartada. O relatório factual das transgressões fiscais de Geithner, reunido e divulgado pelo Comitê Financeiro do Senado, mostra uma cena de não cumprimento que é consideravelmente mais grave do que seus defensores querem reconhecer.

Geithner deve ser questionado sobre esta questão na audiência da próxima semana e suas explicações precisam ser plausíveis. Mesmo nos melhores tempos da economia, seria difícil aceitar um secretário do Tesouro (que, afinal de contas, está a encarregado do Internal Revenue Service, ou Serviço de Rendimento Interno)  com uma atitude  despreocupada em relação a pagar seus próprios impostos. Hoje, em um momento no qual a economia se encontra em perigo, a nação não pode se dar ao luxo de ter um secretário do Tesouro incapaz de atrair respeito e gerar confiança.

De acordo com o relatório, quando os impostos de Geithner para 2003 e 2004 foram auditados em 2006, os auditores descobriram que ele não havia pago o imposto de trabalhador autônomo naqueles anos. Para compensar, ele os pagou com juros (US$16.732).

Oficiais da equipe de Obama dizem que Geithner, que trabalhou no Fundo Monetário Internacional, cometeu um erro comum entre funcionários internacionais em Washington. Mas como o The Journal relatou na quarta-feira, deixar de pagar o imposto como trabalhador autônomo não é necessariamente comum entre funcionários sofisticados do FMI. Ao invés disso, um dos motivos para que o imposto seja amplamente ignorado é o fato dele ter que ser pago por funcionários de embaixadas e outros contratados de nível menor. Mesmo assim, o Comitê descobriu que Geithner havia assinado documentos no FMI que reconheciam a necessidade da contribuição.

A história não para aí. Geithner também deixou de pagar o imposto em 2001 e 2002. Estas contribuições, que o relatório diz que foram preparadas pelo próprio Geithner, não foram auditadas então ele não teve que pagá-las (o que gera a questão do por que ele não se voluntariou para corrigir este erro e pagar os impostos e juros quando foi auditado em 2006). Ao invés disso, ele esperou até que a equipe de Obama percebesse o valor faltante no ano passado (US$19.176 em impostos e US$6.794 em juros).

Um lapso parecido aconteceu em outra questão fiscal. Nos impostos de 2001, 2004 e 2005, Geithner declarou incorretamente gastos com viagens a acampamentos ao calcular os impostos de seu dependente. O contador que preparou seus documentos em 2006 o informou que pagamentos a acampamentos não eram despesas permitidas, mas novamente, ele não corrigiu as informações dos anos anteriores ao saber disso. O relatório não mostra o valor isolado deste imposto, mas juntamente com outros ajustes, Geithner deve US$4.334 e juros de US$1.232.

Muitas pessoas acham a declaração de impostos confusa, mas antes de seu emprego no FMI, Geithner era oficial do Departamento do Tesouro na gestão do presidente Clinton e nos últimos cinco anos ele foi o presidente do Federal Reserve Bank de Nova York. Com este perfil profissional, transgressões fiscais são difíceis de se perdoar.

Leia mais sobre  Timothy Geithner

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.