Editorial ¿ Medidas para armas não são o suficiente

Tanto como senador, quanto como candidato à Casa Branca, o presidente Barack Obama pediu, com razão, a revogação da chamada Tiahrt Amendment (Emenda de Tiahrt), que restringe os esforços da polícia e de outras autoridades em combater fornecedores de armas ilegais e traficantes de armas. De forma lamentável, o orçamento de Obama não inclui a anulação total dessas leis.

The New York Times |

Por outro lado, o orçamento do presidente pede a eliminação das condições que restringem o acesso da polícia na busca de dados envolvendo armas usadas em crimes. Atualmente, a polícia pode ter acesso aos dados apenas para investigações de crimes particulares, o que torna mais difícil construir um retrato das redes criminais por trás dos crimes com armas de fogo.

O aumento dessas restrições tem sido o objetivo da coalizão de segurança pública nacional, Mayors Against the Illegal Drugs (Prefeitos contra drogas ilegais), que teve a ajuda do prefeito de Nova York, Michael Bloomberg, em sua organização.

Além disso, o orçamento contém uma nova linguagem que preveniria os departamentos de polícia e outras agências de coerção de lei de revelar dados sobre crimes com armas e o tráfico de armas obtidos a partir do Bureau of Alcohol, Tobacco and Firearms Explosives (Agência de Álcool, Tabaco, Armas de Fogo e Explosivos). Isso acabaria com a discussão pública sobre esse grave assunto. Um oficial da polícia local não deveria se sentir limitado ao fazer declarações diante do conselho da cidade sobre tais questões.

O orçamento deixa intocada uma restrição de Tiahrt injustificável, que impede o governo de exigir que fabricantes de armas conduzam inspeções de inventário para checar se armas foram perdidas ou roubadas. Ele também evita a necessidade da regra em que o FBI destrói informações federais exigidas aos compradores de armas em 24 horas, aparentemente por razões de privacidade. Ambos tornam mais difícil a correção de erros e a detecção de fabricações impróprias, incluindo a compra de armas ilegais.

A Casa Branca diz que Obama se opôs às restrições do Tiahrt e escolheu sugerir mudanças com chances realistas de sobreviverem à oposição da Associação Nacional de Rifles. O que ele realmente está fazendo é perpetuar regras ruins, enquanto manda sinais de que não pretende enfrentar o lobby das armas.

Obama escolheu não lutar para reviver o banimento de armas de agressão. Nem tentou retirar a linguagem que permite às pessoas portar armas carregadas em parques nacionais com o cartão de crédito do projeto de reforma. Esperamos que ele seja mais agressivo ao pressionar por valores, caso estes sejam limitados pelas reformas do Tiahrt incluídas em seu orçamento.


Leia mais sobre Obama

    Leia tudo sobre: obama

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG