Editorial: Barreira entre eleitores e voto pode prejudicar eleição presidencial

No debate presidencial de quarta-feira, o senador John McCain alertou que um grupo chamado Acorn está perto de realizar uma das maiores fraudes eleitorais da história e pode estar destruindo a estrutura da democracia. Os telespectadores podem ter se perguntado do que McCain estava falando. Nós também.

The New York Times |

O Acorn é um grupo sem fins lucrativos que defende pessoas de baixa e média renda e conseguiu uma enorme inscrição de eleitores este ano. O grupo diz ter pago mais de 8 mil pesquisadores que registraram cerca de 1,3 milhões de novos eleitores, muitos dos quais são pobres e membros de minorias.

Nas últimas semanas, a campanha de McCain acusou o grupo de cometer fraude eleitoral ao submeter registros inválidos intencionalmente, alguns com nomes falsos como Mickey Mouse e outros de eleitores já registrados.

Com base nas informações descobertas até agora, as acusações foram exageradas e buscam prejudicar os esforços do Acorn.

O grupo aceita que alguns de seus pesquisadores podem ter entregue registros falsos, apesar de dizer que aqueles que contém nomes falsos não representam mais do que 1% do total. O grupo também diz revisar os formulários entregues. Antes de entregá-los aos cartórios eleitorais, seus supervisores marcam os que possivelmente contém problemas.

De acordo com a Acorn, a maioria dos formulários que causam controvérsia são os que foram marcados por seus supervisores e denunciados por autoridades eleitorais pouco simpáticas.

Os críticos da Acorn alegam que o grupo está criando registros falsos que eleitores não elegíveis usarão para votar ou que uma pessoa poderá usar para votar inúmeras vezes.

O Acorn precisa oferecer números mais precisos sobre os problemas nos formulários e fazer um trabalho melhor ao escolher seus pesquisadores.

Mas de toda a raiva fabricada pela campanha de McCain contra o roubo de votos (e alegações similares do partido republicano ao longo dos
anos) não há evidências reais - em qualquer lugar do país, há muitas eleições - de pessoas que compareceram às urnas sem ter esse direito.

Enquanto isso, os republicanos não dizem nada sobre um escândalo de inscrição de eleitores muito mais sério: o fato de que cerca de um terço dos eleitores elegíveis não foram inscritos. A diferença racial é significativa e particularmente perturbadores.

De acordo com um estudo do Projeto Vote,  um grupo que defende o direito ao voto, em 2006 cerca de 71% dos brancos elegíveis ao voto foram inscritos, em comparação com 61% dos negros, 54% dos latinos e 49% dos asiáticos.

Muito da culpa disso está nas regras restritivas adotadas para a inscrição. No começo do ano, a Liga de Mulheres Eleitoras parou sua campanha de inscrição na Flórida depois que o Estado impôs novas exigências onerosas.

A resposta é o governo fazer um trabalho melhor ao registrar os eleitores. Assim, não precisaremos depender da inscrição particular, amplamente conduzida por organizações de boa fé que usam trabalhadores baratos.

Os governos estaduais e federal devem realizar sua própria inscrição, usando funcionários experientes. Melhor ainda, o Congresso e os Estados devem adotar a inscrição no dia da eleição, que tornariam esses antigos procedimentos desnecessários.

A verdadeira ameaça à democracia é a barreira entre eleitores e voto.

Leia mais sobre eleições nos EUA

    Leia tudo sobre: eleições nos eua

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG