Editorial - As questões de planejamento para o Marco Zero

Quando o Governador George Pataki esteve sob críticas por causa do lento progresso das obras no Marco Zero, ele criou uma agenda agressiva para reconstruir a área do World Trade Center. Agora, quando parece que nem todos os prazos poderão ser cumpridos, o novo governador de Nova York, David Paterson, prepara o cenário para adotar uma agenda menos rigorosa.

The New York Times |

Politicamente, um novo planejamento faz sentido uma vez que o democrata Paterson não quer ser criticado por perder prazos e fazer vista grossa aos custos que foram gerados por seu antecessor republicano. Mas a verdadeira questão aqui é se isso faz ou não sentido para o Marco Zero. Facilitar os limites de custo e tempo de construção pode simplesmente fazer com que todo o projeto demore e custe mais.

Na semana passada Christopher Ward, o novo diretor executivo da Autoridade Portuária de Nova York e Nova Jersey, pediu em uma carta ao governador Paterson uma reavaliação do projeto até o dia 30 de junho. Paterson citou pesquisas recentes sobre o aumento nos preços da construção e os atrasos que forçaram a Autoridade Portuária a pagar milhões de dólares em multas.

Na verdade, as multas não representaram muito depois que as construtoras abriram mão de seus bônus. Até o momento, os atrasos são mínimos quando se considera que a reconstrução da área do World Trade Center já foi comparada à construção de um enorme cubo mágico. Cada peça as cinco torres, um centro de transito, um memorial aos que morreram no 9 de setembro de 2001 precisam ser construídas em camadas complicadas. Os engenheiros precisam impedir a entrada da água do Rio Hudson e fornecer acesso a um estacionamento e outras funcionalidades, além de trazer as antigas ruas de volta à vida. Acima de tudo, cada passo desse enorme desenvolvimento urbano é algo muito emocional, afinal de contas, nesse local a América sofreu o pior ataque em solo americano desde Pearl Harbor.

O centro dos esforços de reconstrução é o memorial para as quase 3,000 pessoas que morreram e, apesar dos atrasos e mudanças, espera-se que fique pronto para o aniversário de 10 anos do 11/9. Essa data muda um pouco semanalmente, mas os políticos e construtores fariam bem em manter firmemente essa promessa. Não importa o que esteja ali, o local irá atrair milhares de visitantes nesse aniversário.

O aumento nos custos e atrasos no sistema de trânsito criado por Santiago Calatrava também preocupam. A difícil estrutura está dois anos atrasada e mais de US$1 bilhão fora do orçamento, mas ainda é parte crucial do projeto.

O governador Paterson quer garantir sua parte de controle sobre o Marco Zero. Ele quer uma agenda real e gastos reais. Essa é uma ótima idéia desde que sua agenda e seu orçamento não acabem com a promessa do local e diminuam seu progresso.

    Leia tudo sobre: marco zerothe new york times

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG