Editorial: a confirmação da juíza Sonia Sotomayor

Não foi uma surpresa que a confirmação da juíza Sonia Sotomayor pelo Comitê Judiciário do Senado tenha sido partidária. O que surpreendeu, e chegou a alarmar, foram os argumentos fracos oferecidos pelos republicanos que se opuseram à confirmação. Esperamos que a votação para a juíza Sotomayor no Senado seja mais completa e que a retórica seja superior.

The New York Times |

Em suas audiências de confirmação, a juíza Sonia Sotomayor deu sequência a uma tendência lamentável entre os indicados à Suprema Corte que evitam respostas francas sobre assuntos legais importantes. O papel de conselhos-e-consentimento do Senado é diminuído quando ele permite este tipo de evasão.

Não obstante, ela claramente merece a posição. A distinta carreira da juíza Sotomayor inclui serviços no distrito federal e em cortes de apelação, prática privada da lei e experiência como promotora pública. Além disso, em suas audiências ela demostrou um impressionante conhecimento da lei.

O senador Lindsey Graham da Carolina do Sul, nem de longe um liberal indeciso em assuntos judiciais, foi o único republicano a votar nela no Comitê Judiciário. Desde então, alguns Republicanos proeminentes inclusive o senador Lamar Alexander do Tennessee, terceiro na liderança de seu partido, endossaram a juíza. Ela não deve ter nenhuma dificuldade em ser confirmada.

O caso a ser feito contra ela é notavelmente fraco. O senador Jeff Sessions, republicano do Alabama, disse duvidar que ela tenha "enraizadas as convicções necessárias para resistir à chamada de um ativismo judicial".

O termo ativismo judicial tem significado duvidoso, na melhor das hipóteses, e é geralmente usado por republicanos conservadores para atacar os juízes de cujas decisões eles não gostam. Pelo critério do objetivo comum (como uma vontade de derrubar leis Congressistas por serem inconstitucionais) juízes conservadores são tão ativistas quanto os liberais.

O senador Charles Grassley de Iowa disse acreditar que a juíza Sotomayor será influenciada demais por "preferências pessoais". Todos os juízes são influenciados, até certo ponto, por sua visão do mundo. O juiz John Roberts, que representou corporações quando advogado, se posiciona a seu lado como um juiz. Não há nenhum motivo para se acreditar que a juíza Sotomayor seria mais afetada mais por suas preferências.

Alguns republicanos podem estar cautelosos em se opor à juíza Sotomayor porque ela seria a primeira hispânica no cargo, e eles relutam em alienar um grande bloco eleitoral. Não há necessidade de cálculos políticos. Os senadores deveriam apoiá-la porque ela é eminentemente qualificada.


Leia mais sobre Sonia Sotomayor

    Leia tudo sobre: euapolítica - euasonia sotomayor

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG