Domínio de presidente do Zimbábue pode estar no fim

HARARE, Zimbábue - O controle que o presidente do Zimbábue Robert Mugabe exerceu sobre o país durante décadas parece ter perdido força na terça-feira, quando diplomatas, analistas e membros da oposição afirmaram a possibilidade de renúncia do líder de 84 anos, após as eleições presidenciais do último sábado.

The New York Times |

  • Cronologia do Zimbábue desde sua independência
  •  Perfil de Robert Mugabe: crítico do Reino Unido e líder há 30 anos
  • Perfil de Morgan Tsvangirai: a alternativa opositora a Mugabe


    O candidato de oposição, Morgan Tsvangirai, que aparece na liderança das pesquisas nacionais, negou que seu partido estivesse discutindo a renúncia de Mugabe, e afirmou que não entraria em qualquer acordo antes que os resultados da votação fossem oficialmente anunciados. Sua declaração, entretanto, foi divergente em relação às especulações de que ambos os lados estariam dialogando sobre uma possível troca de poderes.

    A comissão eleitoral nacional até agora não divulgou qualquer resultado oficial da disputa presidencial, apenas dados da disputa pelo Parlamento. No entanto, uma projeção feita por um grupo independente, baseada em dados de postos eleitorais, aponta uma vantagem de aproximadamente 49.4% a Tsvangirai, dando força à possibilidade do candidato derrotar Mugabe na contagem geral.

    Mugabe, que governou o Zimbábue pelos últimos 28 anos, permitiu que as incertezas sobre os resultados das eleições continuassem por mais de três dias. O fato de que ele e as forças de segurança do país até agora permaneceram de fora da apuração dá a esta empobrecida nação de 12 milhões de cidadãos a esperança de que pode estar rumo a uma mudança histórica.

    Mugabe foi aconselhado por líderes das forças armadas para promover um segundo turno das votações, segundo um diplomata ocidental que forneceu as informações sob condições de anonimato. Ainda de acordo com ele, Mugabe teria dito que isto seria uma humilhação.

    Os chefes dialogam com Morgan e tentam instalar estruturas de transição, disse John Makumbe, analista político e conselheiro de uma coalizão de grupos civis. Mugabe é dependente do aparato coercivo do Estado, e se chefes dizem para ele que é assim que as coisas funcionam, ele não tem como negar.

    -Barry Bearak

    Leia mais sobre: Zimbábue


    • Leia tudo sobre: zimbábue

      Notícias Relacionadas


        Mais destaques

        Destaques da home iG